domingo, 19 de fevereiro de 2012

Estado de Graça

O que está a dar são programas de televisão em que pessoas conhecidas imitam pessoas ainda mais conhecidas. (Pausa) Ou é de mim ou a ideia é um bocadinho circular e a roçar as batatas fritas com mel e legumes servidos à parte? Como se não bastasse, no programa em causa, um júri composto por pessoas conhecidas e um tal de Zeca avaliam as prestações dos famosos que lá vão fazer as vezes de outros famosos. É caso para dizer que o panorama da tv em Portugal não está nada famoso. Ai não está não! Eu sei que "às vezes, as coisas têm destas coisas", mas isso também não explica tudo! Por exemplo, não, explica, as vírg,ulas nesta, frase, que parecem, célula,s sex,uais masc,ulinas vistas de cima pelo helicóptero de trânsito da TVI, em hora de ponta; não explica por que razão nunca ninguém se lembrou de deitar fora o IC19, já que está sempre entupido; não explica o estado em que se apresenta o "Estado de Graça" na RTP. Rio mais com o próprio Passos Coelho e esposa, com o António José Seguro, com o Vítor Gaspar, do que com o Monchique, o Madeira, a Bola ou o Marques. E depois já não há pachorra para a dona Dolores, o CR7 e a Luciana Abreu da Rueff. O "Estado de graça" está a transformar-se numa espécie de "portugalex" alargado, e uma pessoa diverte-se mais a tentar distinguir o Goucha da Cristina Ferreira do que a tragar aquele momento musical no fim do programa da RTP, em que quatro ou cinco humoristas treinam telepontos para pivots com bichos carpinteiros. (Pausa) O que eu propunha, para não dizerem que só critico e que criticar é fácil, era um novo conceito para televisão, em que pessoas desconhecidas imitam pessoas ainda mais desconhecidas do que elas. Se entre essas pessoas, umas pudessem ser extremamente magras, outras, obesas mórbidas, isso seria o ideal. Claro que neste conceito também cabe a figura do júri, que seria composto por pessoas completamente desconhecidas do grande público. Agora vou-me lavar que esta semana andei de tobogã e o cheiro ainda não saiu completamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário