segunda-feira, 25 de novembro de 2013

"ÉS O MELHOR MINISTRO DA EDUCAÇÃO DO MUNDO, CA.....!"

A prova não permite detectar professores com muitas capacidades e muitos conhecimentos nem professores com poucas capacidades e poucos conhecimentos, mas permite detectar ministros com poucas capacidades e escassos conhecimentos.


Hoje acordei tão homofóbico, tão homofóbico, tão homofófico... tãoooo homofóbico, que Deus me perdoe! (Pausa) Ah ele perdoa?, Não se importa, é?, Ah, assim é que está bem?, Ok. A este tipo de acordar (estive a pensar) não deve ser alheio o facto de ter passado a noite a sonhar com o ministro da educação da Suécia, Nuno Crato, a brincar nas diversões da Euro Disney apenas de tanguinha leopardo, fazendo-se acompanhar do rato Mickey, que tinha ainda a voz do Walt Disney, mas que antes de aparecer no meu sonho passou pelo roupeiro do José Castelo Branco e levou umas pecinhas. Eu não tenho nada contra o rato Mickey, muito menos contra o José Castelo Branco, até porque acho que os ratos e as mulheres têm um papel na sociedade cada vez mais importante, agora, não posso com ministros da educação nórdicos, e dentre estes, desgosto particularmente dos ministros da educação nórdicos que aprenderam a falar mais ou menos português e compraram um ministério na 5 de Outubro para morar, cheio de criados. Por isso, senhor ministro, da próxima vez que decidir aparecer num sonho meu, ao menos, vista-se! Eu sou uma pessoa séria e tenho sonhos sérios e o mínimo que as pessoas que aparecem nos meus sonhos têm de fazer é serem sérias. Por isso, senhor ministro, seja sério! Por falar em tangas, estive a debruçar-me sobre um guião de prova de avaliação de conhecimentos e capacidades para professores, ou como diz Crato, para coisinhos, e aquilo é de um nível tão superior, tão superior, tão superior, que acabei por cair para dentro da prova e bater com a cabeça no item número quatro, que era nada mais nada menos, do que um excerto de um texto do Peter Brook. A sorte é que o texto se chamava "o espaço vazio" e não me aleijei. Mas fiquei cheio de doenças oncológicas nos olhos. Estive a analisar a prova e cheguei à conclusão que toda ela é um espaço vazio com cinco páginas e que o facto de ser um exame que avalia as capacidades, por um lado, e os conhecimentos, por outro, vai permitir distinguir os professores que têm capacidades, mas parcos conhecimentos e correr com eles. A prova vai também permitir deixar nas escolas os professores com muitos conhecimentos e mais de 60 anos de idade, mas já com poucas capacidades. Há quem ache bom, há quem ache mau e há quem ache %&/HYG GTYUI &%/YUT_VAIMASÉPASTARÓCRATO_H84USTEHJH! Em princípio, o ratio será de um professor idoso para cada 40 alunos, sendo que o professor não poderá lançar milho aos alunos nem organizar torneios de sueca dentro da componente lectiva. A prova não permite detectar professores com muitas capacidades e muitos conhecimentos nem professores com poucas capacidades e poucos conhecimentos, mas permite detectar ministros com poucas capacidades e escassos conhecimentos. E isso é bom. Eu acho que o sonho do ministério da educação era que a prova funcionasse como uma espécie de detector de metais que apitasse mal um professor incompetente começasse a tentar resolvê-la e salivasse. Mas não funciona. Lá no fundo, lá no fundo, a única coisa que eu tenho contra a prova é que não serve para nada a não ser sacar 20€ a cada professor! De resto, nada contra.

Um comentário: