quinta-feira, 18 de julho de 2013

É dos partidos cafajestes e rufias que o PS gosta mais...

O Partido Socialista diz que o actual governo liderado pela coligação PSD/CDS não tem palavra, não é de confiança e traiu os portugueses. POR ISSO, vai juntar-se a ele. Se para os mais distraídos isto não faz sentido e, repito, só mesmo para os mais distraídos é que isto poderá não fazer sentido, para uma pessoa atenta à realidade que a rodeia, como eu próprio, não me espanta rigorosamente nada. Toda a gente sabe que as mulheres certinhas e cumpridoras do seu dever, nomeadamente, conjugal, adoram um bom cafajeste, um homem que as ponha no lugar e lhes agarre pelo rabo de cavalo, ou sem de cavalo. Ao que parece, a actual direcção dos socialistas adora ser ignorada, traída e maltratada e até se excita um bocadinho com isso... Os socialistas aceitaram o seu "homem" depois deste ter estado ausente dois anos e ignorado completamente a noiva do memorando inicial. Depois de ter sido abandonada no altar, Seguro terá mesmo dito que já não sentia uma emoção parecida a este regresso à cena política como quando andou pela primeira vez de montanha-russa. Passos Coelho é, neste sentido, o cafajeste de Seguro e trouxe um amigo para, como suavizar isto, participar na coboiada. Deste threesome entre Passos, Portas e Seguro quem vai sofrer mais, já se sabe, não é nenhum dos três... É quem fica a assistir à película, de qualidade duvidosa, e realizado por um cineasta menor. Se os bonecos do "Contra" ainda por aí andassem, Acabado Silva caía que nem ginja no genérico final deste filme. Agora, o que me preocupa mesmo é o Elton John andar por aí a fazer de Nel Monteiro e até agora nem uma palavra sobre isso na discussão da moção de censura do PC, desculpem,  dos "Verdes",  que decorre neste momento na AR. Nem uma!...

Nenhum comentário:

Postar um comentário