sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Carta aberta ao senhor presidente da república

Exmo. Senhor presidente da República,

dirijo-me a si na sua qualidade de animador sócio-cultural do país para lhe dizer que andamos a precisar de um campeonato da europa para animar, até para ver se o Éder volta aos golos. Se calhar, o plural aqui não se aplica. Gostaria de dizer-lhe que durante a quadra natalícia tive de me deslocar a uma urgência hospitalar por me encontrar engripado. Não correu bem. Para começar, quando cheguei não fui recebido pelo senhor Diretor-Geral de Saúde. Depois, não estava lá o senhor presidente para me abraçar. Enquanto presidente de todos os portugueses tem o dever de abraçá-los a todos. De preferência, em momentos complicados das suas vidas, como nas deslocações às urgências hospitalares. Devo dizer, no entanto, que não faltava lá gente para abraçar, umas 80 pessoas só à minha frente. Tentei abraçar algumas que foram pouco receptivas e nada afectuosas. Saiba o senhor presidente que passo por momentos difíceis. Estou desempregado e, quando não estou, encontro-me a um curto passo de voltar a estar. Já agora, uma pergunta professor: diz-se "estou desempregado" ou "sou desempregado"? A pergunta nem sequer é filosófica, sinta-se portanto à vontade. A dúvida é de português - se fosse francês estávamos conversados - e a questão é, no máximo, política. E aqui já entra o senhor presidente.
Mas adiante. Como se a minha vida já não fosse difícil, sou sportinguista. Deve o senhor presidente imaginar em que estado de sofrimento me encontro! Para além de não acreditar em Jesus, imagino que ser desempregado benfiquista seja, ainda assim, mais fácil.

Um beijinho,
HGP

Nenhum comentário:

Postar um comentário