segunda-feira, 9 de junho de 2014

Santana Lopes ambiciona ser Cardeal-Patriarca e quer primárias em vez de nomeação

A eventual recondução de Pedro Santana Lopes como Provedor da Santa Casa da Misericórdia por mais três anos está a deixar Dom Manuel Clemente à beira de um ataque de nervos. Segundo o RdE conseguiu apurar, fala-se à boca pequena nos corredores do patriarcado que o ex presidente do Sporting, ex presidente da câmara municipal da Figueira da Foz, ex presidente do câmara municipal de Lisboa, ex presidente do PSD e ex primeiro-ministro está a preparar uma candidatura à diocese de Lisboa, e que a provedoria da Santa Casa será entendida por Santana apenas como um trampolim para voos mais altos na Igreja. Ao que parece, o ex líder laranja quer alterar o modo de designação do Cardeal-Patriarca, que na proposta de Santana deixará de ser nomeado pelo Papa e passará a ser eleito em "directas" ou "primárias". Um casino no Vaticano e a "noite da mulher" nos claustros da sede do Patriarcado são algumas das propostas que prometem angariar apoios ao actual provedor da Santa Casa, que é igualmente a favor do casamento dos sacerdotes - mesmo entre eles - e do regresso dos benefícios fiscais à séria para membros do clero. 

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Adeptos do Sporting perguntam o que têm a menos que adeptos do Mónaco

Leonardo Jardim disse hoje, durante a apresentação como técnico do Mónaco, que quer aprender francês o mais rapidamente possível por respeito aos adeptos da equipa monegasca. Um grupo de adeptos do Sporting já veio a público indignar-se pelo facto de Jardim, durante o tempo em que foi técnico do Sporting, não se ter dado ao trabalho de aprender português: "então não merecemos o mesmo respeito que os adeptos do Mónaco?".

Aumentar os impostos "às vezes é certo, outras vezes é errado" afirma ministro do atual executivo

Num indiano irrepreensível, um ministro do atual executivo, que não se quis contudo identificar, e a que chamaremos, para efeitos desta notícia, "Fazal", referiu sobre a última subida de impostos e supervenientes, que "`as vezes é certo, outras vezes é errado". "Fazal", que falava aos microfones do RdE com um lenço na boca, distorceu ainda que "cada cultura tem as suas tradições, os seus usos e costumes, e não devemos ter uma atitude de superioridade civilizacional sobre elas. Numas viola-se, noutras mata-se, noutras mata-se e viola-se, noutras mata-se e esfola-se, noutras aumenta-se os impostos, mata-se e esfola-se, como é o caso da nossa". Sem nunca assumir o seu apreço pelo caril, este governante deixou ainda mais aberta a porta ao relativismo moral: "e assim é que é bonito"!