quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Capucho diz que deve haver alguém "insuspeito" para o lugar de Pais Jorge, deve haver, caramba, tem que haver...

António Capucho, histórico do PSD, acho que é assim que se diz, disse em reacção à saída de Pais Jorge, para além do óbvio, que tinha de ser, que já veio tarde, que a ministra das finanças sai fragilizada, etc, que agora espera que Maria Luís Albuquerque escolha alguém insuspeito, alguém sem ligações ao governo, alguém que nunca tenha tido qualquer ligação ao aparelho partidário, enfim, à panelinha do arco da governação, dizemos nós, alguém que não seja ou tenha sido avençado de Estado, que não tenha sido assessor, gestor público, enfim, alguém completamente independente, talvez, um professor universitário, dada a especificidade e complexidade das funções de secretário de estado do tesouro. Custa-nos ser nós a explicar a António Capucho que o pai natal não existe, nem tal perfil de independência. O que António Capucho queria era o Paulo Futre com um master em high finance by the university of Massachussets e a mesma capacidade de concentração do ex craque, mas não havia carreira directa do Seixal para Massachussets quando o Futre era miúdo. Se houvesse, "uêtrô gálô cántaría".

O lado podre da política...

O ex-secretário de Estado do Tesouro, que esteve cerca de 19 dias no exercício de funções, queixou-se ter sido vítima "da baixeza" e do "lado mais podre da política". Áh, então deve ser por isso que ele prefere o lado "mais podre" da banca... É compreensível... É que no lado "mais podre" da banca as vítimas são, habitualmente, políticos gananciosos ou somente incompetentes e, por tabela, os contribuintes portugueses. Não ele... E, depois, quer dizer, nem sempre Pais Jorge pensou mal do "lado mais podre da política". Por exemplo, quando em 2005 andou a meter «swaps up our asses» (acho que é assim que em calão técnico eles dizem no City Bank e no mundo da alta finança em geral, ah, e também no mundo da alta costura) não se queixou nada "do lado mais podre da política". Mas quanto à memória de Pais Jorge já há muito que estamos falados! Agora, é uma pena Pais Jorge abandonar funções ainda antes de tratar de temas tão "quentinhos" como a renegociação dos contratos swap, só que agora do lado do governo (para o leitor que ama o futebol perceber melhor, é como se o Ronaldo, o falso, o português, o que joga agora no Real Madrid, jogasse a primeira parte do clássico contra o Barcelona e marcasse sete golos na baliza blaugrana, fosse contratado ao intervalo pelo Barça, e jogasse a segunda metade pelos catalães para tentar reverter a situação a favor do Barcelona, não sei se estão a ver?...), ou dos contratos das PPP's... Temas que lhe eram tão caros e se há pessoa, abaixo da ministra Maria Luís Albuquerque, que é "perita" em Swaps e PPP's e bancos é Joaquim Pais Jorge. Se o governo calha agora de perder Maria Luís Albuquerque por qualquer motivo, seja ele qual for atenção, é um "mero supônhamos", nada mais do que isso, não tenho qualquer informação privilegiada que 10 milhões de portugueses não tenha, atenção, mas se o país calha de perder a sua ministra das finanças quem raio irá resolver a trapalhada das Swap?! Quem, meu deus?! Estaríamos 10 milhões entregues à nossa própria sorte! Ainda bem "que sobre a senhora doutora Maria Luís Albuquerque nada pesa de menos correcto", senão estávamos mesmo tramados!

Pais Jorge não se lembra de se ter demitido... há algumas horas atrás!

Enquanto a população das Galápagos ainda digere a demissão de Joaquim Pais Jorge, este não se lembra de se ter demitido: "não tenho memória de ter apresentado a demissão ou de ter deixado de apresentar, oiça!". O ex-secretário de Estado do Tesouro disse ainda não se recordar de ter feito parte de qualquer governo recentemente e também não tem memória de quem sejam Maria Luís Albuquerque ou Pedro Passos Coelho. 

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Mourinho suspenso seis meses por cuspidela no prato

Depois de Cristiano Ronaldo - a Paris Hilton do futebol mundial - ter denunciado, num castelhano pior que o Inglês para chineses do Jaime Pacheco e para iranianos do Toni, a cuspidela de José Mourinho "no pliato uende cómé", a Federação Espanhola de Futebol não perdoou e depois de ver as imagens que Ronaldo fez questão de enviar à "Cómissión Disciplinaré Êspánhuela", usou de mão pesada para Mourinho que, se voltar a ser contratado por um clube espanhol, passará os primeiros 25 jogos na "bancuáda"!

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Daniel Oliveira nas comissões parlamentares de inquérito já!

É mais difícil encontrar um político ou gestor público que não tenha mentido numa comissão parlamentar de inquérito que um americano desarmado. É por isso que eu não percebo o interesse deste tipo de comissões com o actual formato e sugeria alterações de fundo para que as mesmas passassem a servir para aquilo que foram criadas, nomeadamente, fiscalizar a verdade e blá blá blá. Assim, proponho que os deputados redijam as perguntas mas que seja o Daniel Oliveira a colocá-las. Para isso, sugiro que os deputados que fazem parte de cada comissão de inquérito não estejam presentes na sala de audiência e que vão ditando as perguntas ao Daniel via auricular. Antes das perguntas formais, o conhecido entrevistador teria espaço para questões de ordem mais pessoal, da sua própria lavra, de modo a deixar o inquirido à vontade e com vontade de chibar a sua vida toda. No meio da primeira leva de perguntas avança no video hall um filmezinho com imagens e fotografias de pessoas muito queridas àquele que foi chamado à comissão de inquérito, com testemunhos sobre a sua bondade, o que o deixará em lágrimas e pronto para admitir mais rápido que Paulo Portas a tirar fotocópias tudo o que souber sobre Swaps, BPN's, BPP's, PPP's, Compras de submarinos, Camarates e Licenciaturas de políticos ao domingo, ou por equivalência. Ah, é verdade, sabem também o que é muito difícil de encontrar? Políticos do arco da governação que nunca tenham sido gestores públicos ou membros remunerados de fundações, e outra merda muito difícil de encontrar é coquilles de Saint Jacques no mini-mercado aqui da rua. E agora, para terminar, uma anedota para condizer com o facto de eu estar a escrever este texto em sleeps brancos bem justinhos ao corpo e de havaianas de ir ao Sudoeste daqui a dias. É fácil, ando a ensiná-la aos meus filhos para eles contarem aos amigos deles e os amigos deles aos pais deles.

Anedota

Sabes o que é que diz o político do governo para o gestor público, e vice-versa? 
«Péra aí que eu já te apanho»