segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Grândola Vila Morena: import/export, Lda

Estava a ser uma semana como as outras, a terça depois da segunda, o Passos Coelho a ser insultado e a sorrir superiormente, a quarta depois da terça, o Papa sem força, a quinta depois da quarta, o Relvas nas cenas dele, eis senão quando, na sexta a seguir à quinta, um primeiro sinal de que algo completamente inusitado se preparava para acontecer: Grândola é entoada durante um discurso do Primeiro Ministro nas galerias da Assembleia da República por populares prontamente convidados a sair. Passos reage como sempre, com sentido de humor em lata e sorriso de plástico, o plenário riu da pequena blague que vem no guião do presidente do conselho para este tipo de situações e a vida parecia seguir para mais um fim de semana a chover no molhado. Acontece que sábado Grândola volta a ouvir-se, mas agora em Espanha, em pleno centro de Madrid, entoada pues por uma orquestra improvisada de músicos e acompanhada por milhares de manifestantes. Foi o 25 de Abril em 16 de Fevereiro em Espanha. Confuso? Até o Zeca deve andar confuso e até já há quem diga que este foi o primeiro passo para a internacionalização da carreira do cantor de intervenção, ícone da revolução dos cravos. Por mim não há nada de mal em exportar intervenção da boa para o vizinho do lado e até lanço a ideia de importarmos manifestantes espanhóis para as nossas manifs, porque os nossos são, na generalidade, fraquinhos e sem salero revolucionário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário