sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Era uma vez o corpo humano, quer dizer, mais ou menos...

Depois de ter posado nua numa sessão fotográfica plena de sensualidade e exotismo animal, José Castelo Branco, que é tão homem como qualquer outro - e ai do homem que duvide disso que ele faz-lhe logo um filho -, tem um novo programa de tv, no cabo - como ele gosta -, que se chama as "aventuras do Zé". Até aqui não se pode dizer que dê para o mundo acabar, a partir daqui é que a porca torce o rabo, ou como diz o famoso socialite, aí é que o rabo torce na porca. É que o programa é mesmo para ser visto, tem sponsors e, noblesse oblige, existência no espaço e duração no tempo. Ou é de mim ou toda a gente já viu o conde de todas as maneiras e feitios a fazer de todas as maneiras e feitios com câmara, luz e acção? Era mesmo necessário isto?! Pergunto?! Era?! (Pausa) Hum, parece que era! Então já não está cá o macho que falou! Pessoalmente, tenho muitas reservas em ver o programa do Zé... Tenho medo de engravidar! É por isso que também não vejo o Natal dos hospitais ou as emissões de domingo à tarde na tvi. É muito tempo seguido com as mesmas pessoas, fechados ali no programa, é praticamente impossível não haver um clima, um envolvimento... A meu ver, só há uma maneira em que ainda não vimos o José Castelo Branco: numa endoscopia! Para quando um reallity show do lado de dentro do Zé? Podia chamar-se: "Era uma vez o corpo humano, quer dizer, mais ou menos" e o promo podia ter imagens de um duende de barbas a passear no interior do corpo do conde. Imagino o texto: "14 órgãos fechados 24 sobre 24h entre quatro paredes abdominais, 617 câmaras e 222 microfones, 50 mil euros"! (Pausa) Isso sim! Isso é que dava share! Isso e a seguir um "Era uma vez o corpo humano, quer dizer, mais ou menos 2", só que com os órgãos do aparelho reprodutor. Mas calma, que a sociedade portuguesa ainda não está preparada para tudo! Calma! Eu sei que o freak show tem que continuar, mas algum tento, por favor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário