quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Coma doze passas para dar sorte enquanto lê este texto e talvez faça amor como um leão esta noite

Paulo Portas, juro que li isto há bocado, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros de Portugal, e pai biológico dos submarinos, disse esta segunda-feira, em Bruxelas, que a atual proposta de orçamento plurianual comunitário é, e juro que passo a citar," inaceitável para Portugal". (Pausa) Portugal, pai de criação dos submarinos, que nasceram na Alemanha, acolheu-os de braços abertos e deu-lhes um lar. Alimenta-os e lava-os no Tejo, leva-os a dar longos passeios em alto mar e, mais importante de tudo, dá-lhes carinho a atesta-lhes o depósito. (Pausa)
Desculpem lá mas ainda estou a recompor-me! Paulo Portas disse mesmo que não pode dar o seu aval a "um acordo qualquer" e, atalhando, que esta proposta de orçamento comunitário não é uma resposta à altura da crise económica muito séria, à recessão e ao desemprego.
(Pausa)
Até me nasceram pêlos entre os dedos dos pés e das mãos enquanto reproduzia este texto! É assim, se isto não é esquizofrenia é pela menos uma irmã gémea... Eu imagino o Jerónimo Sousa a ouvir estas declarações. Ainda lhe salta a tampa comunista e alguém se aleija, que ele tem umas raquetes jeitosas a fazer de mãos! Então, senhor ministro, cá dentro fazemos de União Europeia e lá fora damos uma de Francisco Louçã?
(Pausa)
Já parávamos de brincar aos países começados por pê, não era menino Paulo? Para mim isto só prova que o ministro dos negócios estrangeiros tem aquele bom aspecto por fora - parece sempre que acabou de ser barrado em óleo de cedro - mas por dentro já anda precisado de uma decoraçãozinha de interiores. Não digo que seja caso para telefonar ao Cláudio Ramos, mas já se falava com o doutor Eduardo Barroso para trocar os rins de lado e dar um restyling ao pâncreas e ao duodeno. O baço tirava-se, que ocupa espaço e só dá despesa!  
(Pausa)
Ultimamente, têm saído muitas notícias a propósito da cada vez mais baixa taxa de natalidade em Portugal. As pessoas andam preocupadas pelo facto de nos primeiros nove meses deste ano terem nascido cerca de menos 20 porcento de bebés no nosso país em relação ao ano anterior. Mas a mim o que me preocupa é o que raio andaram os portugueses a fazer em Dezembro de 2011 para em Agosto de 2012 não se passar nada?! Há cada vez menos mulheres grávidas e as que há das duas uma: ou não são mulheres ou são gravidezes indesejadas! O que redunda em:
- Olá, o meu nome é Joana, mas na tropa era conhecida por "Antunes". Hoje, sinto-me uma mulher realizada e estou à espera do meu primeiro filho. Vai ser um menino, mas já estou a tratar disso: vai chamar-se Fabiana e tem a consulta do mês marcada no mesmo médico que acompanhou o meu caso. Não vai precisar de pediatra, porque vai receber umas injecções de crescimento, que vêm em ampolas, e com dois meses terá o aspecto de uma adolescente de 40 anos.
Ou então:
- Olá, estou grávida mas não era nada disso que eu queria. Engravidei durante o sono, o meu marido diz que também não se lembra de nada e agora vamos entrar numa despesa maluca nos próximos 50 anos, altura em que a Carolina, é assim que ela se vai chamar, sair de casa. Não, não queremos ter mais filhos e, por causa das coisas, já mandei laquear as trompas, as minhas e as do meu marido, já mandei tirar o útero dos dois e, pelo sim, pelo não, mandei aplicar um garrote nos... dele... Enfim, até não ficou mal, parece o saco das prendas do pai natal e, ao menos, por ali não passa nada.
Vai lá vai, até a Barack Obama!
PS. Desculpem lá acabar a crónica comós "malucos", mas é mais forte do que eu!
Crónica humorística escrita para rádio
(Texto modificado e actualizado às 16:18h)

Um comentário:

  1. Só de imaginar os garrotes... Ahahahaahh!! Assim, você mi mata... Ahahah!!! Ai rapaz, assim corres o risco de teres que abandonar a maison nova e arranjar um apartemant lá pros lados da capital... Muito bom! Beijinhos

    ResponderExcluir