sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Quem vos avisa, vosso Renato Seabra é!

Hoje é dia de alertas, é o meu lado humano a sobressair e, quando assim é, não há nada a fazer, a não ser amor como senão houvesse daqui a nada! O que é que sucede, então? Sucede que se fizer umas cenas, que agora não me apetece explicar, e mandar um vídeo disso para um sítio qualquer, pode ganhar uma viagem com a Popota a Nova Iorque neste Natal. É assim, eu não sei o que é que os promotores da iniciativa têm em mente - para além de dinheiro - mas oferecer idas nesta altura do ano a Nova Iorque é como agora alguém se lembrar de convidar empresários portugueses da zona de Ourém para ir de férias à praia do Futuro, em Fortaleza, no Brasil. É no mínimo de ficar com uma pulga - das pesadas e venenosas - atrás da orelha. Agora, os promotores do passatempo é que sabem. Daqui, ainda assim, lanço o alerta, que é a minha obrigação cívica, sobretudo, porque este espaço é já uma referência em termos de avisos à navegação. Eu, passatempos, prefiro aqueles que não impliquem atravessar o atlântico, coisa que que já se provou ser muito perigosa. Tudo o que seja preencher cupões e enviar pelo correio já me enche as medidas. Agora tenho de ir, era só mesmo isto, porque agora vou ali no instante meter os papéis para a reforma, que quem se reformar em 2013 vai sofrer um corte de 4,78%, e eu esqueci-me de tomar a vacina contra o tétano e ainda infecciona!

Televisão em estado vegetativo

Está sim, bom dia, 112? Olhe, estou a ligar para relatar uma emergência. Estou neste momento em minha casa e a televisão está em coma na sic e lá dentro estão neste preciso momento a vegetar a Júlia Pinheiro, duas directoras de agrupamentos de escolas e o funcionário de uma cantina escolar. De vez em quando, ouve-se um pi-pi-pi-pi-pi, que, suponho, seja a máquina de suporte de vida à qual está ligada a televisão. A minha mulher está aqui ao meu lado a dizer que o pi-pi-pi que se ouve é o telefone da Júlia, que está a tentar ligar ao primeiro ministro daquele túnel onde se encontram as pessoas que vivem neer death experiences (oi?, oi?), e onde se vê uma luz ao fundo, não sei se 'tá a ver?, mas a rede lá deve ser péssima, e ninguém está a atender. É possível mandar cá alguém? É que eu não sei se a minha televisão aguenta? Ou então, como o técnico da televisão diz que não há esperança, desligo a máquina de vez? Diga-me, por favor, estou desesperado. Desligo no comando ou é melhor desligar na ficha? Ou deixo em stand-by? Devo esperar pela assistência técnica? Valerá a pena?! Por favor!
Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi...
Está sim, sou eu outra vez. Sim, eu. Olhe, a chamada foi abaixo mas entretanto o estado da televisão piorou drasticamente. Dá para mandar vir uma máquina de fazer electroencefalograma para ver se há actividade cerebral no interior do aparelho? É que vê-se que as pessoas falam mas se ouve nada?!
Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi-Pi...
 

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Passos salvífico e redentor!

O julgamento de Carlos Castro está a chegar ao fim e estima-se que o juri poderá chegar a uma sentença até ao final desta semana, isto, claro, se entretanto os jurados acordarem. Ao que parece, para o tribunal de Nova Iorque este julgamento tem sido uma óptima oportunidade para pôr o sono em dia e poupar energias para casos mais duros. Nem a saca-rolhas o advogado de Renato Seabra conseguiu, durante as três horas de alegações finais, arrancar os jurados do estado de torpor e sonolência em que se encontravam. Mas a Renato nem tudo tem corrido mal ultimamente. Graças a Deus!... Ainda assim, algum vento que sopra a favor do jovem manequim português: é que esta semana soube-se que um assassino pode ser herdeiro do conjuge que matou e receber uma pensão de sobrevivência da segurança social. Afinal, nem tudo são cortes! A malta estava com medo que o primeiro ministro anunciasse também cortes a este nível, mas, nestes casos em que é a vida das pessoas que está em causa, Passos Coelho foi humano... Ao menos isso, agora só falta os jurados acordarem bem dispostos, porque se acordarem com os pés de fora lá se vai a pensãosinha... Renato, vai daqui um conselho pra ti: nada de gastar a pensão toda em sapatilhas versace! Olha que aí na cadeia eles são meninos para achar isso pró esquisito. E abranda na medicação, que senão ainda ficas bom! E ninguém quer isso, muito menos tu! Agora, se não te importas, nós cá em Portugal estamos em crise e aqui corta-se tudo a eito! Aliás, como tu aí!... Nem toda a gente tem a sorte de ser o Billy the Kid fofinho do coração de alguém. Indo ao que aqui me trouxe: e a entrevista ontem de Passos Coelho? Ou como se diz em aramaico, menino Jesus! Aquilo é que foi dar prendas de natal antecipadas ao pessoal, ãh?! A entrevista foi gira, a toilete da Judite de Sousa e o penteado deve ser coisa para ter custado para cima de um orçamento anual do serviço nacional de saúde e, só em ordenados, ali naqueles três cadeirões, estavam para cima de umas dezenas de milhar de euros. Ah, lá estás tu a fazer humor populista! É assim, só não vos insulto em sânscrito por uma unha negra! Passos Coelho tem, pelo menos, e honra lhe seja feita por isso, um novo estilo de fazer política: o nosso primeiro ministro faz promessas e toda a gente sabe que ele as vai cumprir... Aumentar os impostos, diminuir os salários, as pensões sociais, introduzir portagens nas scuts que ainda não têm, etc., etc... Não há dúvidas de que ele cumprirá cada uma das suas promessas, e tem feito prova disso ao longo deste ano e meio de governação. Para mim, um dos momentos mais altos e até emocionantes da entrevista de ontem foi quando Passos Coelho garantiu de que vamos chegar vivos a 2014. É verdade que não se comprometeu com o estado em que chegaríamos vivos a 2014... Mas pelo menos da minha parte, que não sou mal agradecido, fica desde já o meu muito obrigado.  Não vá eu chegar a 2014 só em 2044 com Alzheimer ou afasia de Broca, e depois, já não podia agradecer! E eu não sou mal agradecido ou, como se diz em hebraico, fariseu!

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Chorar a rir...

Se você é mulher e acha Kim Jong-Un o homem mais sexy do mundo, então você está a falar chinês! Perdida? É normal. O que se passou foi o seguinte: o jornal satírico norte-americamo "The Onion" elegeu o líder norte-coreano como o mais sexy de 2012, mas era tudo... a reinar. Até aqui tudo bem, só que a versão inglesa do jornal do partido comunista chinês, People's Daily, pouco dado ao humor e à ironia, não percebeu o teor jocoso e satírico da notícia e toca a publicar, no seu próprio jornal, uma notícia de regozijo por esta boa notícia. Afinal, devem ter pensado os editores do jornal, não é todos os dias que um político, para mais, coreano, é eleito o homem mais sensual do mundo. Para mim, que estou atento a estas coisas da moda e da beleza, já há muito que aprecio a beleza dos líderes políticos asiáticos. Mas isso sou eu que gosto de passar o reveillon em Nova Yorque e levar pessoas mais velhas comigo. Para mim, poucos homens atingiram o grau de perfeição física e os índices de charme de um Mao Tse Tung ou de um Deng Xiau Ping. Ainda assim, só há um homem que atinge um tal grau de perfeição: PSY, o famosíssimo rapper sul coreano (só aqui "rapper sul coreano" desconcerta uma pessoa), autor do hit Gangnam Style. Aliás, PSY e Kim Jong-Un parecem-se enormemente, quanto ao físico, e quanto ao estilo. Um, o líder político, adora montar a cavalo, o rapper adora dançar como um. Se algum dia se juntam os dois, vai ser um rodeo! Uma coisa é certa, o "The Onion" arranjou lenha para se queimar, porque com a beleza das pessoas não se brinca: era como se agora o nosso "inimigo público" elegesse o Arménio Carlos o homem mais bonito do mundo e o Avante publicasse uma nota a dar conta disso mesmo e de quanto isso enchia toda a margem sul de alegria e felicidade. Era como arranjar um exemplar do the onion para chorar a rir... Ah não percebem a piada? Pois tivessem estudado ou, pelo menos, não tivessem votado em Sócrates.
 
Crónica humorística para quem sabe ou inglês ou para quem acha quer sabe

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Não dá para privatizar?

Neste sítio faz-se humor de causas. Não leiam a primeira frase desta crónica como uma frase, ouçam-na como um espirro. Santinho. Obrigado. Tenho andado a reflectir e acho que o sangue corre de cima para baixo nas nossas veias, portanto, no sentido descendente e que isso era importante ficar, desde já, esclarecido. Posso bem, contudo, com quem pensa de maneira diferente de mim e da gravidade nesta matéria. Relativamente às declarações de Passos Coelho na Madeira, aquilo deve ser do pólen das flores do jardim do atlântico, ou assim. Mete-se nas pessoas e ou dá deng, ou dá declarações daquelas. Pena para o país que não tenha dado deng. Como é que a gente há-de explicar ao presidente dos ministros isto: eu também podia bem com quem pensasse diferente de mim em matéria de política orçamental ou social se quem pensasse diferente de mim não tivesse na mão a possibilidade de me dar e tirar os subsídios a seu bel-prazer, de aumentar o iva e o irs das coisas e de cortar nas pensões dos velhinhos, que já pouco mais produzem que saliva e barulho ao andar. Agora, uma vez que quem pensa diferente de mim tem esse poder... As nossas diferenças agravam-se aí! E no estilo: eu detesto betinhos armados em rambos. Ainda assim, prefiro betinhos armados em amiguinhos dos mais pobres e desfavorecidos! Se não fosse incómodo, mudava o registo se fazia o favor. Outra coisa: não dá para privatizar o Alberto João Jardim? Antes do Natal?!... Privatizava-se já o homem e poupava-se 1,2 milhões de Euros ao erário, que é quanto vai custar o fogo de artifício de fim de ano na Madeira! Será que os angolanos não o querem? É que eles querem tudo... E já agora: não dará para nacionalizar angolana a RTP? Já nacionalizamos chinesa a EDP... Nomeava-se a Fátima Campos Ferreira directora de informação! Se for preciso, dá-se um toque ao António B, o programa da Fátima passava a chamar-se "os Prós dos Prós" e teria como convidados só pessoas com o apelido Santos, para haver ideias claras e impedir aquelas, como é que se diz, diferentes, que só servem para inquinar o esclarecimento da opinião pública. São ideias para ajudar, tal como esta: mandar desmantelar os dois submarinos da marinha portuguesa e vender às partes para abastecer a indústria europeia do nuclear. Mas de maneira asseada, que é para não sujar o ambiente. Com o dinheiro, pagava-se o orçamento do Serviço Nacional de Saúde para os próximos 10 anos...
 
Crónica humorística escrita para rádio

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Segunda-feira de manhã

Ou é de mim ou está frio. Agasalhem-se ou, então, saiam de casa nus e aqueçam o dia de alguém. Ou então não, façam como é costume, vistam-se de preconceitos e aceitem o que a vida vos dá: taxas de juro, Angela Merkel e disfunção eréctil. Assim, por esta ordem e nem é preciso escrever carta ao pai natal. Umas das coisas que eu aprecio na segunda-feira de manhã é saber que, enquanto o mundo trabalha, nós estamos aqui a "pensar" o mundo. Quando digo "nós" falo de um sujeito colectivo indeterminado, que para além de eu próprio, do Pacheco Pereira e do Manuel Maria Carrilho, não faço a mínima ideia de quem se trata. É um trabalho sujo mas alguém tem de o fazer. E posso bem com quem acha o contrário. Numa curta revista pela imprensa desta manhã parece que o número de pessoas sem-abrigo tem vindo a aumentar exponencialmente nos últimos meses. Eu sei que o senhor primeiro ministro pode bem com os sem-abrigo que eventualmente achem que está a enveredar por um caminho de austeridade excessiva, mas, ainda assim, senhor primeiro ministro, nem uma palavrinha para os sem-abrigo? Não? Nada? Ah, sim, afinal, parece que sim. Ora diga, senhor primeiro ministro?! Faz favor de dizer! Saiam da frente que eu quero passar! O senhor primeiro-ministro não disse isso que eu pareceu-me ter ouvido que disse, pois não? Ah, não! Que susto! Até tem ideias para resolver os problemas dos sem-abrigo... Ah, assim está bem, um primeiro ministro preocupado com a população. Ah, que susto! Subitamente, até me parecia o abominável homem das neves, só que em penteado. Afinal, é sensível às pessoas mais desfavorecidas. Ok, ora diga lá... Sim, somos todos ouvidos: cada família portuguesa com casa adoptar um sem-abrigo neste natal... Mas isso é uma óptima ideia, senhor primeiro ministro. Nem a caritas, senhor primeiro ministro, nem a cáritas. Que grande ideia! Diga? Ainda há mais? Diga então, diga... Os sem-abrigo adoptados poderiam dormir no tapete de entrada das famílias de natal, famílias de adopção, do lado de fora, claro, e fazer de pai natal para as crianças da casa, na hora de abrir os presentes. Excelente ideia. Há escuteiros que se estão neste momento a roer de inveja por não terem tido essa ideia antes. E se me é permitido meter a foice em seara alheia, o senhor primeiro ministro podia mandar construir casinhas com pacotes de arroz, pela avenida da liberdade abaixo, colar tudo com tulicreme e dar um lar de luxo numa das avenidas mais caras de Lisboa a pessoas que não têm um tecto. Onde é que ia arranjar pacotes de arroz para isso tudo? Então, faça uma ppp com o banco alimentar contra a fome, que eles fornecem os materiais e a mão-de-obra! Ah, é verdade, só para acabar, eu posso bem com quem ache que esta é uma crónica de humor populista excessivo! Agora, se me dão licença, vou ligar a televisão que às onze dá o presidente da república a jogar ao sério na eurosport.
 
Crónica humorística para rádio

domingo, 25 de novembro de 2012

O eixo do mal

Não tenho bem a certeza, mas aqueles senhores do "eixo do mal" tomam cenas ou são mesmo assim?! Não alinhar três frases seguidas não é sinal de descontracção, é sinal de cenas e não fora a Clara Ferreira Alves e nada ali era tangível. Eu sei que eles pensam que aquilo lhes confere um certo estilo cool de comentarismo... Como é que eu sei? Tenho um dedo mindinho a nascer no esófago que disse ao meu estômago, que disse ao meu intestino, que deitou tudo cá para fora! Se a ideia da sic notícias é gente cool convidem os Buraka Som Sistema para comentar com moderação da Clara Ferreira Alves. Ok? Agora, cenas não! Uma das coisas que eu aprecio nas ditaduras é a possibilidade que dá às pessoas de estarem caladas. Não é assim tão mau, deviamos experimentar mais o silêncio em Portugal, sobretudo, o elenco do eixo do mal, e temos muito a aprender, nesse campo, com o nosso presidente da república. Que técnica de silêncio ele tem... Era capaz de pagar bilhete para assistir a um concerto de duas horas de silêncio do presidente no pavilhão atlântico. No fim, um aplauso monumental, os gritos pelo encore e, encore, mais duas faixas de reserva pura.  E como dá razão a si próprio, o presidente, sempre que fala! O país está apaixonado por esta "miúda tímida" que é o presidente, quer sair com ela e fazer amor no banco de trás. Por falar em poucas vergonhas, Passos Coelho. Era só isto! Por falar em pornografia: declarações de Passos Coelho sobre certas "cenas". Disse Passos: "Posso bem com aqueles que acham que estamos a seguir um caminho de austeridade excessiva"... À valentão! Eu também posso bem com um furúnculo que o meu tio Rafael tem no rabo e que tem de lancetar amanhã, porque a cabrita da borbulha já se está a virar para dentro e o meu tio é um homem viril! E não sei se é por ainda estar nos trintas mas também posso bem com os cortes nas reformas e com os cortes nas comparticipações dos medicamentos para o reumatismo, Alzheimer e Parkinson... Agora, com o que eu posso mesmo é com o elenco do eixo do mal, sobretudo, quando estou a ver o fashion tv.
 
Crónica humorística escrita para rádio
 

sábado, 24 de novembro de 2012

Faço animação de festas

Ao que parece um jornalista despiu-se em protesto contra Rhianna, por razões que se coubessem num monossílabo que aqui tenho, e que me sobrou da última crónica, eu até vos contava. Como não cabem, e eu não gosto de viver acima das minhas possibilidades, vou dividi-lo em três partes iguais, meter uma delas num saco do Modelo e mandar para o site do coiso contra a fome, que este fim de semana está por aí a ensacar, vou guardar outra parte para a próxima crónica e o que sobrar vou dar à Raquel, que está a passar necessidades em Dancing Days, e eu não gosto de ver ninguém a sofrer, para mais, que a Raquel é super parecida à Soraia Chaves, e a última coisa que este país precisava agora era que os expoentes máximos da sua cultura fossem morrendo à fome. Por falar nisso, acho a Julia e a Mariana umas sonsas! Pronto, já disse! Estava aqui entalado! Ah, só mais uma coisa: se os concorrentes do Toca a Mexer continuarem a emagrecer desta maneira, na gala de fim de ano arriscamo-nos a ver hologramas a desmaiar. Daqui a nada gordos, gordos, só no serviço público de televisão e na casa dos segredos. E no coiso contra a fome! E eu gosto dos meus gordos a sopas de cavalo cansado e caldo de farinha. Agora, vou ali fazer uma sandes de presunto serrano, e deitar abaixo três jolas holandesas que comprei no lidl, e depois vou criar bicho para o sofá, que hoje apetece-me meditar acima das minhas possibilidades: vou reflectir sobre a crise de valores só, a partir de um artigo de Michel Renaud, e sobre a crise de valores imobiliários. Entretanto, quando a Rhianna se despir em protesto contra um jornalista, volto a entrar em contacto, até porque o que me move é o dever de informar e notícia não é quando o jornalista morde a cantora, é quando a cantora morde o jornalista.

Crónica escrita para animar primeiras comunhões e crismas.

Cavaco stand-up comedian Silva

Eu era para começar este texto de comédia pura assim:
Molécula "made in Portugal" destinada a combater a artrite reumatóide está a causar grande furor no meio científico. Pessoalmente, acho muito bem que o Carlos Ribeiro tenha voltado em força, já estava com saudades daquela camisinha aberta e um peito à Toni Ramos à cabeça dos destinos da humanidade, o que não acho tão bem é que os portugueses tenham a ideia, os chineses patrocinem os testes e um laboratório alemão qualquer venda o medicamento! É sempre assim, nós fazemos o mais difícil, e os outros colhem os louros! Agora há outra coisa que me deixa perplexo: valerá a pena a ciência dispender tanta energia à procura de melhorar a qualidade de vida das pessoas, de prolongar a vida das pessoas, e depois deixar à solta por aí o Vítor Gaspar e o Passos?
Mas depois pensei melhor. Há um excelente texto de stand-up comedy de um humorista novo chamado Aníbal Cavaco Silva, que fez uma apresentação espectacular na gala de entrega dos prémios de jornalismo. Abro aspas a partir do site da Visão mas este texto humorístico encontra-se um pouco por toda a imprensa:
«No habitual discurso que faz na entrega destes prémios de jornalismo, Cavaco Silva começou por dizer que apenas o seu "caro amigo Mário Zambujal [presidente do Clube de Jornalistas] o convenceria a estar presente: "Ele sabe bem que eu não queria vir, tudo porque eu sabia que teria de subir a este palco e de quebrar o meu silêncio".
"Todos sabem que o silêncio do Presidente da República é de ouro, hoje a cotação do ouro foi 1.730 dólares por onça, uma onça são 31 gramas, mais 1,7% do que a cotação do ouro naquele dia de setembro em que a generalidade dos portugueses ficou a saber o significado da conjugação de três letras do alfabeto português: "tê, ésse, u" (TSU)", afirmou Aníbal Cavaco Silva.
Depois, Cavaco Silva apontou vários temas dominantes da atualidade política sobre os quais "boa parte" da população portuguesa acha que o Presidente da República "estava a refletir" durante o seu "silêncio".
"Até aqui, boa parte dos portugueses pensava que o Presidente da República estava a meditar, a refletir sobre a próxima visita a Portugal da senhora já bem conhecida de todos, amada por muitos, a que carinhosamente os portugueses chamam de troika, outros estariam a pensar que o Presidente da República estava a refletir sobre se o aumento de impostos era enorme ou gigantesco, outros pensariam que o Presidente da República estava a refletir sobre os novos apoios que a chanceler Merkel podia trazer para Portugal na sua próxima visita ao país e outros poderiam estar a pensar que o Presidente da República estava a refletir sobre o que fazer relativamente às pressões de vinte corporações e mais de cem individualidades para que ele enviasse o Orçamento do Estado para o Tribunal Constitucional", declarou.
No mesmo tom irónico, Cavaco continuou: "Outros estariam a pensar que o Presidente estaria a refletir sobre o consenso político que foi possível estabelecer entre as forças políticas do arco da governação sobre a forma de realizar a reforma das funções do Estado, outros podiam estar ainda a pensar que o Presidente estava a refletir sobre se a transmissão televisiva dos jogos de futebol em canal aberto fazia ou não parte da definição de serviço público de televisão, mas agora, depois de ter quebrado o meu silêncio, os portugueses dirão que afinal ele estava apenas a refletir sobre a forma de evitar a sua presença na cerimónia de atribuição dos prémios Gazeta do Clube de Jornalistas".»
Espectacular!
 
Crónica humorística
 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Presépio de Natal...

Ora viva! Um momento, por favor... Ok, obrigado. Estava a sentir a pressão dos mercados na bexiga e tive de ir verter águas. Agora a coisa já vai... Então não é que o papa mandou abater a vaca e o burro quando os bichos já estavam posicionados no presépio, preparados para o Natal que aí vem? Será que o papa teve medo que o burro e a vaca se envolvessem em coisas? Ou trata-se apenas de rigor histórico, de seriedade factual? Mas então, nesse caso, mandava-se retirar toda a gente. Ou bem que é para ser rigoroso, ou bem que não é! Se é para deixarmos o serviço a meio, então mais vale estarmos quietos! Atenção, pessoalmente, acho que este papa não tem papas na língua, se tivesse papas na língua era o João XXIII ou o Paulo VI... Assim sendo, vai dizendo o que pensa, com muita coragem, mas vai ter de se preparar para a contestação que aí vem... É que os vendedores de presépios prometem dar luta ao santo padre e vender o kit completo, animais incluídos. Relativamente a esta questão, há quem ache que a atitude do papa está a ter o efeito contrário ao pretendido, ou seja, nunca como agora se falou tanto do burro e da vaca, sendo que as duas figuras ganharam uma importância e popularidade sem precedentes, que faz deles as grandes figuras do presépio do natal 2012! Aliás, há vendedores de presépios que agastados com o papa prometem mesmo uma versão do presépio, para não crentes, só com o burro e a vaca. Ah, e com a popota, os três a dançarem ao som de gangnam style. Ah, e com a Isabel Jonet! A gruta toda forrada a arroz, tipo a capelinha dos ossos, só que em cereais.
 
Crónica humorística para rádio

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Esta crónica só foi possível porque existe trabalho infantil em Portugal, e já não é de agora

Acabo de ler no Jornal de Notícias que quadrilha armada rouba 10 mil euros em impostos na Alfândega do Freixieiro, em Matosinhos. Eu não me quero meter nas decisões de uma quadrilha armada, mas nos serviços de finanças há muito mais dinheiro, para mais, dinheiro que já está habituado a ser roubado e que por isso não iria estranhar a mudança... Mas quem decide é quem tem a metralhadora! Atenção!... Agora que já começamos com um momento de humor populista, que tirei da secção de passatempos do Avante, é só esperar meia hora para vocês se recomporem e recomeçarmos a crónica. Ok, agora que já todos fingimos que passou meia hora, avancemos em frente na impossibilidade do contrário. Para mim esta interrupção até deu jeito, acabei de vestir o meu filho de seis anos, que entretanto já saiu para o trabalho, e agora sou todo vosso, que sei que vocês gostam de mim inteiro e detestam ter de me partilhar... Então cá vai: Portugal fala a várias vozes, depois de Paulo portas ter dito na terça-feira que a proposta de orçamento comunitário era inaceitável. Na quarta-feira de manhã foi a vez de Passos Coelho dizer que "aceita" as reduções dos fundos da UE previstos para Portugal. Também ontem, Cavaco disse que cortes eram "inaceitáveis". Há quem chame a isto de pessoas com ideias diferentes democracia, eu chamo-lhe um romance do António Lobo Antunes. Há uma certa dificuldade em seguir o fio à meada, apesar das mais altas figuras do Estado poderem sempre alegar que é uma questão de estilo e que até se têm fartado de ganhar prémios lá fora, que lá fora é que reconhecem o verdadeiro talento dos nossos governantes, que na Alemanha, Vítor Gaspar e Paulo Portas são muito bem vistos, mas por razões diferentes: o primeiro, porque vende lá tudo, o segundo, porque compra lá tudo; que em Bruxelas e Estrasburgo não têm mais que fazer a Passos sempre que ele lá vai, e que um dia a verdade virá ao de cima... Hoje ainda não fui ver o que diz o governo português sobre a proposta de orçamento europeu, mas aguarda-se ansiosamente pelas declarações de Vítor Gaspar e Álvaro Santos Pereira, respectivamente, ministro das finanças e um luso descendente canadiano de posses, em férias em Portugal. Entretanto, não param de chegar mensagens ao facebook desta crónica com pessoas a perguntar pelo meu "filho isto", que o meu "filho aquilo". Eu agradeço desde já a preocupação, mas o miúdo está bem, ainda está à experiência lá na fábrica de calçado, mas estão a gostar muito dele lá e, em princípio, vai ficar na empresa. Vai ganhar mal mas é o único a trabalhar cá em casa e sempre ajuda às despesas. Se for preciso alguma coisa, depois eu digo. Eu e a minha mulher estamos desempregados desde os oito anos e desde os 12 que não recebemos qualquer apoio ou subsídio. Hoje, com 22 anos, estamos naquela idade em que somos velhos demais para receber o abono de famíla, e novos demais para nos reformarmos.
 
Crónica humorística para animação de festas de casamento e baptizados.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Coma doze passas para dar sorte enquanto lê este texto e talvez faça amor como um leão esta noite

Paulo Portas, juro que li isto há bocado, ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros de Portugal, e pai biológico dos submarinos, disse esta segunda-feira, em Bruxelas, que a atual proposta de orçamento plurianual comunitário é, e juro que passo a citar," inaceitável para Portugal". (Pausa) Portugal, pai de criação dos submarinos, que nasceram na Alemanha, acolheu-os de braços abertos e deu-lhes um lar. Alimenta-os e lava-os no Tejo, leva-os a dar longos passeios em alto mar e, mais importante de tudo, dá-lhes carinho a atesta-lhes o depósito. (Pausa)
Desculpem lá mas ainda estou a recompor-me! Paulo Portas disse mesmo que não pode dar o seu aval a "um acordo qualquer" e, atalhando, que esta proposta de orçamento comunitário não é uma resposta à altura da crise económica muito séria, à recessão e ao desemprego.
(Pausa)
Até me nasceram pêlos entre os dedos dos pés e das mãos enquanto reproduzia este texto! É assim, se isto não é esquizofrenia é pela menos uma irmã gémea... Eu imagino o Jerónimo Sousa a ouvir estas declarações. Ainda lhe salta a tampa comunista e alguém se aleija, que ele tem umas raquetes jeitosas a fazer de mãos! Então, senhor ministro, cá dentro fazemos de União Europeia e lá fora damos uma de Francisco Louçã?
(Pausa)
Já parávamos de brincar aos países começados por pê, não era menino Paulo? Para mim isto só prova que o ministro dos negócios estrangeiros tem aquele bom aspecto por fora - parece sempre que acabou de ser barrado em óleo de cedro - mas por dentro já anda precisado de uma decoraçãozinha de interiores. Não digo que seja caso para telefonar ao Cláudio Ramos, mas já se falava com o doutor Eduardo Barroso para trocar os rins de lado e dar um restyling ao pâncreas e ao duodeno. O baço tirava-se, que ocupa espaço e só dá despesa!  
(Pausa)
Ultimamente, têm saído muitas notícias a propósito da cada vez mais baixa taxa de natalidade em Portugal. As pessoas andam preocupadas pelo facto de nos primeiros nove meses deste ano terem nascido cerca de menos 20 porcento de bebés no nosso país em relação ao ano anterior. Mas a mim o que me preocupa é o que raio andaram os portugueses a fazer em Dezembro de 2011 para em Agosto de 2012 não se passar nada?! Há cada vez menos mulheres grávidas e as que há das duas uma: ou não são mulheres ou são gravidezes indesejadas! O que redunda em:
- Olá, o meu nome é Joana, mas na tropa era conhecida por "Antunes". Hoje, sinto-me uma mulher realizada e estou à espera do meu primeiro filho. Vai ser um menino, mas já estou a tratar disso: vai chamar-se Fabiana e tem a consulta do mês marcada no mesmo médico que acompanhou o meu caso. Não vai precisar de pediatra, porque vai receber umas injecções de crescimento, que vêm em ampolas, e com dois meses terá o aspecto de uma adolescente de 40 anos.
Ou então:
- Olá, estou grávida mas não era nada disso que eu queria. Engravidei durante o sono, o meu marido diz que também não se lembra de nada e agora vamos entrar numa despesa maluca nos próximos 50 anos, altura em que a Carolina, é assim que ela se vai chamar, sair de casa. Não, não queremos ter mais filhos e, por causa das coisas, já mandei laquear as trompas, as minhas e as do meu marido, já mandei tirar o útero dos dois e, pelo sim, pelo não, mandei aplicar um garrote nos... dele... Enfim, até não ficou mal, parece o saco das prendas do pai natal e, ao menos, por ali não passa nada.
Vai lá vai, até a Barack Obama!
PS. Desculpem lá acabar a crónica comós "malucos", mas é mais forte do que eu!
Crónica humorística escrita para rádio
(Texto modificado e actualizado às 16:18h)

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Noticiário das 12

Pivô - Bom dia a todos.
Segundo conseguimos apurar junto da internet, começa hoje o julgamento das "contrapartidas" no caso dos submarinos. À falta de melhor, julga-se as "contrapartidas" apesar do primeiro ministro à época, Durão Barroso, e o então ministro da defesa, que assinou o contrato entre o consórcio alemão e o Estado português, Paulo Portas, não estarem, de momento, ocupados com nenhum outro julgamento e, por isso, disponíveis para este. Em termos logísticos, sentar as "contrapartidas" no banco dos réus não foi fácil, como pôde apurar o nosso repórter, que se encontra junto ao pavilhão dos bombeiros onde decorre o julgamento.
 
(A emissão passa para a entrada de um pavilhão de bombeiros, onde decorrem as audiências. Junto à entrada, encontram-se gruas e camiões de grande porte)

Repórter - É isso mesmo, Tó Bé. Com efeito, foi muito difícil encontrar as "contrapartidas" para o Estado português do negócio dos submarinos, pois durante muito tempo estas encontravam-se em parte incerta. Ninguém sabia bem quais eram as "contrapartidas" e onde estavam. O que é estranho, porque as "contrapartidas" são muito grandes e deveriam ser localizadas com facilidade. Ao que parece, as "contrapartidas" não se encontravam onde era suposto estar e daí as dificuldades por parte da justiça portuguesa, hi, hi, hi, desculpem, justiça por...tu... hi, hi, hi... (Recompõe-se) Peço desculpa, dificuldades, dizia eu, em encontrá-las...
Tó Bé - Tó Jó, desculpa interromper-te. Mas para que efeito são essas gruas enormes aí mesmo atrás de ti, em frente à entrada para o tribunal improvisado?
Tó Jó - Ainda bem que me avisas, porque estava de costas e não estava a ver. (Olha para trás, volta a olhar para a câmara) Ah, já sei. Estas gruas estão aqui pois foram necessárias para movimentar as "contrapartidas" desde estes camiões enormes que aqui vemos até ao interior da improvisada sala de audiências.
Tó Bé - Tó Jó, desculpa interromper-te uma vez mais...
Tó Jó - Desculpa eu interromper-te, mas tu não me interrompeste. Eu já tinha terminado de falar...
Tó Bé - Ok, desculpa então pelas outras vezes todas em que já te interrompi. Mas dizia antes de me interromperes: o que é que a defesa espera conseguir deste caso?
Tó Jó - A defesa espera conseguir convencer o tribunal que quem deveria estar no banco dos réus não são as contrapartidas, mas sim os próprios submarinos, ao fim e ao cabo, os grandes culpados deste caso todo! Senão fossem eles, segundo a defesa, nada disto teria acontecido. Segundo a defesa, ainda, os verdadeiros culpados deste caso andam à solta por aí no Tejo a fazer tangentes a barcos e gastar gasóleo desnecessariamente, contribuindo de forma assustadora para a despesa do Estado.
Tó Bé - (Estarrecido) Agora a sério, Tó Jó... Vá...
Tó Jó - Mais sério é impossível, Tó Bé.
Tó Bé - Mas isso não faz sentido nenhum!... Então e tu achas que o juiz vai nessa?
Tó Jó - Sabes que a justiça portuguesa... hi, hi... Desculpa... Dizia: os caminhos da justiça portuguesa são insondáveis... Ao que consegui apurar, a justiça portuguesa (pára, respira fundo, contém o riso e consegue) escreve direito por linhas tortas, portanto, é bem possível que daqui a algum tempo se sentem no banco dos réus os próprios submarinos.
Tó Bé - Mas Tó Jó, como é que os submarinos vão caber na sala de audiências?
Tó Jó - Quanto a isso não há que haver preocupações desnecessárias. A Ferrostal já disse que forneceria a bom preço umas gruas especiais de grande tonelagem, próprias para transportar submarinos do exterior para o interior de salas de audiência.
(A imagem regressa ao estúdio onde se vê o pivô a cair para o lado com grande estrondo. A imagem regressa ao repórter)
Tó Jó - Deixei de te ouvir (retira os auriculares dos ouvidos). Olha, estão a sair neste momento da sala de audiências trinta, dos cerca de duzentos advogados de defesa... Vamos tentar chegar à fala com um deles... (Vê-se vários jornalistas escolhendo advogados) Olha, sobrou este... (Agarra o advogado pelo braço) Em directo para o nosso jornal, diga-nos doutor, vai ser possível anular este julgamento, tal como a defesa pede, e sentar no banco dos réus os próprios submarinos?
Advogado de defesa - A nossa expectativa é essa. Repare, é uma injustiça as "Contrapartidas" estarem sentadas hoje no banco dos réus, que para mais, é pouco confortável e até incómodo. Já levantamos cerca de 20 incidentes processuais, só entre as 10 e as 10:30h desta manhã por causa desse facto, e outros 20 por causa da fraca luz natural existente na sala de audiências, que afecta a menina do olho de uns tios meus que vivem em Inglaterra, o que é iníquo e inaceitável!
Tó Jó - E relativamente aos submarinos, que provas concretas há de que são os verdadeiros culpados neste processo?
Advogado de defesa - É claro que os submarinos são culpados, vê-se logo ao olhar para eles, sobretudo, quando emergem à superfície da água. Está na fuselagem que são culpados! Está na fuselagem!
Tó Jó - Não sei se me estás a ouvir, Tó Bé, mas é tudo daqui neste momento. Assim que haja novidades, voltaremos à antena.
(O sketch termina com a imagem da secretária vazia do pivô. Deste apenas se vê as solas dos sapatos, indiciando que caiu para trás e ficou com as pernas para cima, apoiadas na beira da mesa)
 
Sketch humorístico escrito para televisão

domingo, 18 de novembro de 2012

Noticiário das cinco

1. Se dúvidas houvesse, agora temos a certeza: as eleições americanas têm muita saída em Portugal. Em tempos foi a NBA, agora é a política. Em ambos os casos os praticantes são maioritariamente de raça negra e, quando não o são, perdem.

2. O furacão sandy passou pelo estado de Nova Yorque e pelas eleições americanas, tendo causado estragos em ambos. No caso das eleições, os especialistas (e são muitos, espalhados pelo mundo inteiro, mas com uma enorme incidência em Portugal, e, mais concretamente, nas redacções das televisões a partir das 22 horas. Só aqui ao meu lado, em estúdio, tenho dez desses especialistas a debaterem-se para entrar em directo já a seguir) foram unânimes em dizer que a maneira como Obama lidou com a situação o fez subir nas intenções de voto. Já o mini tornado de Silves, no Algarve, promete fazer baixar a popularidade do ministro da administração interna, Miguel Macedo, que ainda não avançou com nenhuma medida de apoio às vítimas desta tempestade mas, em contrapartida, já adiantou bastante o trabalho de sacudir a água do capote. Segundo o ministro, o "tornadinho" não era possível de prever e a resposta deve ser transversal. É caso para dizer que em Silves "até a Barack Obama"! (Dizer como se fosse a popular punch line dos malucos do riso: "Até a barraca abana")
 
3. Com a vinda da chanceler alemã ao nosso país, ficamos a saber que este é mesmo um país de merkel! (dizer como se fosse a expressão: "país de merda").
 
4. Cavaco Silva continua mudo e quedo. O mutismo selectivo passou agora a mutismo compulsivo e o presidente já não verbaliza juizos básicos como: " - Está frio!" ou " - Hoje apetece-me cataplana de marisco", o que tem vindo a afectar a sua qualidade de vida e, nesse sentido, a qualidade de vida de toda a nação, que ama o presidente de coração.
 
5. Segundo o site da Visão, um casal homossexual de pinguins dinamarquês adoptou uma cria. Precisamente numa altura em que a opinião pública se divide quanto à possibilidade de adopção de crias pinguim por parte de casais de pinguins homossexuais. O principal argumento contra é que os pinguins cria vão sofrer na escola por causa da descriminação a que vão ser sujeitos. Para além do mais, ainda há pouca legislação produzida no âmbito da adopção por parte de casais pinguins homossexuais. Se relativamente à adopção as dúvidas ainda são muitas, quanto à homossexualidade no seio destas aves, trata-se de um erro comum, umas vez que macho e fêmea são praticamente iguais, tornando praticamente impossível - e até desnecessária - a distinção de género. O facto de os pinguins serem bichos efeminados, e andarem como o Charlie Chaplin andava, contribui ainda mais para que assim seja. Isso, e o facto de os pinguins em causa estarem em cativeiro, leva naturalmente a relações entre pinguins do mesmo sexo. Acontece o mesmo em estabelecimentos prisionais humanos e tem a ver com a falta de diversidade em termos de fauna nesses lugares. São sempre os mesmos, sempre do mesmo sexo, o que leva a sexo entre os mesmos. É normal que assim seja e até desejável. O que era escusado era "A Dança do Pinguim", dos Caricas, o último grande sucesso do canal panda e que promete lançar ainda mais achas para a fogueira desta discussão.

6. E terminamos com música. Quer dizer, mais ou menos. Mikael Carreira lançou um album chamado "Viver a vida", um trabalho que tem dois propósitos. O primeiro, é de carácter filosófico e pretende deixar claro que o que se vive é a vida. Podíamos às vezes pensar que era outra coisa qualquer e, assim, fica-se logo a saber que a vida é aquilo que se vive, e não vale a pena especular sobre isso. O segundo, era convidar a Rita Pereira para protagonizar o vídeo clip. Tanto um propósito, como outro, são louváveis e amigos do ambiente.
 
Sketch humorístico para rádio ou televisão

sábado, 17 de novembro de 2012

Cavaco, sem ti, nada disto seria possível...

O presidente do Uruguai, José Mujica, é considerado por muitos o presidente mais pobre do mundo. Prescindiu para doações de cerca de 90 porcento do seu salário como presidente da república, ficando com pouco mais de 900€ mensais de remuneração. Eu sei em quem vocês estão a pensar: no nosso presidente da república.... E eu sei o que é que vocês estão a pensar sobre ele: que o nosso presidente bate o uruguaio aos pontos. Pois para que conste no Uruguai, onde sei que este espaço é seguido com especial interesse, Cavaco Silva nem com dez porcento do salário presidencial quis ficar e prescindiu da totalidade da sua remuneração. Cavaco era um simples pensionista e simples pensionista quis continuar a ser depois de ter sido eleito presidente, o que só demonstra que o cargo não lhe subiu à cabeça, e que não é um ganancioso como Mujica. O pormenor das reformas ser maior do que o salário é isso mesmo, um pormenor, e estou aqui para assegurar a todos os uruguaios que mesmo que não houvesse pensão alguma o nosso presidente, por amor à camisola da pátria, prescindiria igualmente da totalidade da sua remuneração. Como é que eu sei isso?, perguntam os meus seguidores uruguaios em português... Tenho um dedo mindinho da mão de um adivinho muito meu amigo que me disse. Mais, o nosso presidente é uma pessoa com problemas de saúde, sofre de mutismo selectivo e podia muito bem querer o faustoso salário de presidente para pagar os tratamentos, mas privou-se do tratamento, como é sabido, pois fala cada vez menos, sobretudo, daquilo que mais interessa, o que só prova como o seu mutismo é selectivo - a forma mais perigosa de mutismo que existe - e como está disposto a sofrer por nós. Já o presidente do Uruguai apenas apanhou seis tiros enquanto lutava pelas cenas dele lá no Uruguai, e mesmo assim, quando se viu no poleiro, não se quis privar de nada! É impressionante a diferença entre estes dois mundos, sem dúvida, estas duas atitudes marcam bem uma linha que divide o mundo civilizado da selva. Venho, por isso, lançar um repto a todos os uruguaios: nas próximas eleições, votem em Aníbal Cavaco Silva, para o bem de Portugal. Ainda hoje o nosso presidente afirmou que espera que não falte nada aos desalojados do mini tornado do Algarve, que é uma espécie de Bravo Bravíssimo do mundo das intempéries, e que está a fazer tudo o que está ao seu alcance, apesar de nada parecer estar, nomeadamente, figas para que tudo corra pelo melhor com aquela gente. Com pessoas como o nosso presidente, tenho a certeza de que nada lhes há-de faltar. Nada. 

Crónica humorística escrita para rádio

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Crítica de televisão sem referir por uma única vez o nome do Cláudio Ramos

Olá, muito boa tarde, sobretudo para quem encontra neste espaço que é de todos a sua alma gémea. Hoje vamos pousar o nosso olhar sobre o universo televisivo, isto, porque daqui a bocado quero ir sentar no sofá da sala e ler "O Crime", ou como se diz em televisão, "As tardes da júlia". (Pausa) Se quiser saber quem anda com quem veja o programa da manhã, se quiser saber quem matou quem, veja o programa da tarde. Vamos pôr as coisas em pratos limpos: eu gosto muito de televisão e gosto muito da sic, não gosto é quando as duas se misturam... Quando uma vem com a outra é que já me chateia um bocado... Depois, custa-me que a sic tenha um programa que é, na verdade, um casting semanal para candidatas a popotas. E também ninguém me tira da ideia que no final da cada emissão do "Toca a mexer" a Bárbara abre a boca e esconde lá dentro o cenário, o painel de jurados e os concorrentes, que assim ficam sequestrados até ao domingo seguinte, não vá algum querer fugir ou dar com a língua nos dentes. Ah, isso é manifestamente um exagero! Na boca da Bárbara não cabia o cenário, os concorrentes e os jurados! Ainda se fosse só o cenário e os concorrentes..., dizem vocês todos excitados! Ai não cabia, ai não cabia!... Era só isso, "ai não cabia". Olhem que aquilo ainda tem bastante arrumação e se o estúdio fosse um t2 + 1 a concavidade bocal da apresentadora era o + 1.(Pausa) De repente, até parece que não se passou nada durante duas horas, tal é o silêncio que fica depois da apresentadora fechar a boca durante uma semana e só a voltar a abrir no domingo seguinte. Fica um vazio, que se devidamente acompanhado à gaita de beiços pelo Enio Morricone dá para um suspense bem jeitoso. É claro que se pode sempre optar pela tvi nos serões televisivos de domingo e ver a casa dos segredos, que é, para quem nunca viu, um programa onde pessoas em estado selvagem se encontram fechados numa casa hóstil, com frigoríficos e tudo, e passam o dia a meter para a blusa e a agredirem-se fisica ou verbalmente. Os concorrentes mais completos chegam mesmo a agredir ao mesmo tempo física e verbalmente. Estas pessoas não estão domesticadas e são inimputáveis. Só quem está dentro da casa é que sabe que a sucessão dos dias são 24 sobre 24 horas, sempre com as mesmas pessoas, e como isso nos torna diferentes do que somos cá fora, no caso dos concorrentes, cá fora traçados de madre teresa e Ghandi, lá dentro, resultado do cruzamento de Milady com Cardeal Richelieu. Se fosse possível, eu mudava a sic e a tvi para a rtp 2, mesmo, a meio de uma cena de pancadaria entre o Wilson e o Qualquer Coisinha B, mas não posso, porque isso seria passar do "little portugal" para a "little britain", e eu não sou falso! Vocês é que são! Tu é que és! Vocês é que são!
 
Crónica humorística

O mundo como vontade e representação

Olá bom dia, sobretudo para quem ler esta crónica logo pela manhãzinha, como substituto do café com leite e um croissant, por causa da linha. Hoje acordei e pensei que isto é que foi uma semana em cheio! Para acabar em beleza, longe de mim sugerir que dêem uma papa qualquer a Vale e Azevedo, sabendo-se que ele é intolerante ao glúten, agora, erros acontecem. Na mesma semana em que vieram a Portugal Angela Merkel, Vale e Azevedo e uma equipa de futebol onze de técnicos da troika eu sinto-me um bocadinho inseguro e sempre a olhar por cima do ombro. Sobre Vale e Azevedo já tudo se disse e já se fizeram todas as piadas possíveis e imaginárias. Eu só queria dizer mais uma e encerrava-se o assunto para sempre: Vale e Azevedo entregou-se esta semana à justiça portuguesa! Hi,hi! Já está! Perceberam?!... "Justiça por...tu..."?! (Pausa) Hilariante... (Pausa) Ok, adiante. A justiça é quando um homem quer, Vale e Azevedo quis, o sonho nasce, a justiça acontece. Vamos agora falar do que interessa: o meu problema de ossos. É que estou cheio de humidades no fémur da minha mulher e não consigo andar com as pernas dela. Esta questão, para além de levantar questões físicas, levanta também questões de ordem filosófica, como a questão da identidade, do eu face ao outro, da alteridade absoluta, enfim, questões que não se resolvem com uma ida ao fisioterapeuta ou apresentando o cartão de cidadão. Ainda agora me deu uma guinada no trocânter da minha mulher e estremeci todo! Eu até ia ao médico ver isto, mas chegar lá com a ossatura dos membros inferiores da minha mulher e dizer que me dói é capaz de colocar problemas e levantar questões, e nem eu nem a minha mulher gostamos de levantar ondas. É assim, eu já estou habituado à reacção hóstil das pessoas sempre que levanto alguma questão. Eu sei que as minhas questões são difíceis e que mexem com as pessoas. Sempre fui assim... Uma vez, numa aula de filosofia, depois de insistentemente perguntar ao professor " - Quem sou eu?", ele irritou-se, veio na minha direcção, arrancou-me o BI da carteira à força e, apontando para a fotografia, disse: " - Tu és este cabrão sorridente que aqui está!". Eu não fiquei convencido, que nestas coisas sou muito cartesiano, e pedi para abandonar a sala. O pior que se pode ter é um professor de filosofia com alma de funcionário do registo civil. Além disso nesse dia estava com uma crise de disfunção eréctil daquelas, e acabei por ir mais cedo para casa, porque estas crises só me começam a passar com a leitura dos primeiras quatrocentas páginas do Mundo como Vontade e Representação", no original alemão, e só a partir aí da página quinhentos e dois, quinhentos e três é que posso voltar a fazer chichi sentado.
 
 
Crónica humorística sem fins lucrativos

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Pisa-papéis

Em dia de greve, faço greve e pronto. É pena é o meu intestino grosso levar à letra as posições do "patrão" e desde a meia noite de ontem que não produz qualquer conteúdo digno de se ver. Até ver é uma enguia mosca morta mas se entretanto acordar do seu estado vegetativo e resolver comunicar com o exterior eu cá estarei para dar notícias. Entretanto, Isabel Jonet hoje ainda não fez qualquer declaração ao país sobre coisa nenhuma. Aguardo uma mensagem em dezenas de toneladas ou, em alternativa, declarações a esclarecer o esclarecimento sobre as declarações acerca daquela história de vivermos acima das nossas possibilidades. Eu propunha, de qualquer das formas, que cada português enviasse um mail por dia a Isabel Jonet dando conta dos alimentos que ingeriu... Só para haver um controlo mais rigoroso das cenas. Outra coisa: dei umas voltas pela cidade de Lisboa esta manhã e ainda havia tábuas nas janelas e portas de muitas habitações. Gostaria de informar as pessoas de que já é seguro sairem de suas habitações e despregarem as tábuas à vontade. Como o Natal está a chegar e, com ele, as publicidades a chocolates e as campanhas de solidariedade nas tardes televisivas, onde seremos convidados a ouvir Rosinha a cantar "Abro o forno/E ele mete a pá, tira a pá" e a pensar que isto é que é solidariedade da boa, já podem ir pensando no meu presente. Este ano não queria nada em tigresse, se pudesse ser. Entretanto, como isto do Natal não é só receber, é dar e receber, eu já pensei num presente para Isabel Jonet, desculpem o leitmotif. Neste Natal, o seu presente, eu quero que seja um pisa papéis em forma de saco arroz ou de lata de salsichas.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Merkel é como um pai para todos nós...

Merkel vai fazer tudo para que Portugal seja feliz... Não é é para agora... É no futuro. E até vai contribuir do seu bolso pessoal, passando férias em Portugal... Não é é agora... É no futuro. Quando já não for chanceler. É a Angela Merkel que nos vai ajudar, não é a Chanceler Angela Merkel. Dava mais jeito que fosse a segunda, mas o que conta é a intenção. Cavaco Silva também quer que sejamos felizes no futuro... Deve ser no mesmo futuro de Merkel... E também vai fazer tudo para que isso aconteça, só que também vai fazer tudo isso no futuro. Para já está só a ver... Merkel quer que nos demos todos bem no futuro, e para isso é preciso que, para já, nos arreliemos um pouco. É normal que neste momento não compreendamos a "porrada" que nos está a dar, e nos revoltemos contra a sua mão pesada, mas no futuro iremos dar-lhe razão, nem que seja quando ela vier cá de férias... Para já não compreendemos, porque nos falta a visão e o discernimento, mas no futuro, iremos dar-lhe razão. E a Coelho, e a Gaspar também a História se encarregará de lhes dar razão. No futuro, ainda comeremos todos à mesma mesa: Merkel, Cavaco, Coelho, Gaspar, Jonet e Portugal, todos de baixo do mesmo teto, à mesma mesa, a comer bifes. De vitela. Ou assim. No aperto de mão que Merkel e Coelho deram no final da cabritada, no aperto de mão daqueles dois homens, estavam as mãos da Alemanha e de Portugal.

Angela Merkel entrevista... Angela Merkel!

Aquela entrevista que a Angela Merkel da Alemanha deu à Angela Merkel da RTP foi o jogo de espelhos mais espctacular que eu já vi em dias de minha vida e em dias de vida dos outros. Eram siamesas e, a dada altura, parecia que íamos na décima vodka e estávamos a ver a dobrar. A mim acontece-me à décima, a vocês já sei que vos acontece a meio da primeira... Mas adiante... Eu até achei que a nossa Angela Merkel era mais Angela Merkel que a própria Angela Merkel, vejam lá, tal era a perfeição da sósia e, se há coisa que esta, como se diz, entrevista foi é um sinal claro de que Portugal é capaz de cumprir todas as exigências do programa de assistência financeira, nomeadamente, no que toca aos contactos com a imprensa. Agora mais a sério: onde é que a RTP faz os castings para os jornalistas que entrevistam a Merkel? É assim, eu até não me importo que seja a mesma senhora a entrevistar a dona Merkel, mas para a próxima vez queria que me avisassem a tempo de compactar o José Gomes Ferreira em chip e pôr na língua da senhora, dissimulado num piercing, para ver se saem as perguntas certas e dois ou três "paralelos" daqueles de afogar a pessoa que leve com eles. Agora tenho de ir porque o meu computador está a ter um avg e eu não sei o que fazer.

Em 90% dos casos, Angela Merkel já tem tratamento...

Só há uma coisa pior que declarações da Isabel Jonet sobre economia doméstica: declarações da Isabel Jonet sobre economia doméstica. Jonet já veio esclarecer que quis dizer tudo o que disse, o que se saúda. Se não, mandava-se vir um exegeta bíblico do norte de Israel para esclarecer que Jonet tinha dito aquilo que tinha dito e não se falava mais nisso! Assim, está tudo esclarecido. Se eventualmente esta crónica chegar sincopada até vós isso é porque não como bifes desde sexta feira passada e às vezes desmaio. Agora que eu já fingi que este assunto me preocupa mais do que a disfunção eréctil, 10 coisas que desdobrarei em mais de duzentas: 1. porque não virar as estradas de pernas para o ar (coisa que é, já de si, muito difícil de fazer em estradas pelo facto destas não serem providas de membros inferiores) e pôr tudo a andar pela esquerda como no Reino Unido. Tudo a ultrapassar pela direita mas com volantes à esquerda, só para tornar as coisas mais interessantes numa semana que, já de si, começa mal... É que Merkel chega daqui a algumas horas e eu passei há pouco por várias ruas de Lisboa e ainda havia muitas casas sem tábuas nas portas e janelas. Prevejo o pior quando esta noite se fizer o balanço da passagem de Merkel pela capital portuguesa. E depois não me venham cá pedir ajuda para procurar pessoas com vida nos escombros. É assim, com uma tempestade de laca extra forte não se brinca e, neste caso, estamos a brincar com o fogo. O país pode ficar agarrado àquela goma invisível para sempre, enganado pela falsa ideia de que se trata de um cabelo bem penteado. 2. Merkel já fez mais num só dia pela disfunção eréctil em Portugal, do que a idade avançada, o stress ou o aspecto que as mulheres casadas habitualmente ganham depois dos cinquenta todos juntos... Quadragésimo quarto: se você é homem e acha que a internet foi uma coisa criada para ver mulheres nuas e depravadas, você não só está certo, como sofre de disfunção eréctil. Quinquagésimo sexto: o presidente do Instituto da Pornografia e Derivados, organismo criado para efeitos desta crónica, já avisou que o consumo de pornografia vai aumentar substancialmente ao longo do dia de hoje, efeitos da passagem de Merkel pelo país. Duocentésimo décimo quinto ponto de análise: muita gente se pergunta o que Merkel vem cá fazer? Quem coloca este género de questões é gente preguiçosa e que não gosta de fazer nenhum. Patrão fora, dia santo na loja. Ora, hoje o patrão vai estar e o pessoal vai ter de dar ao litro. Hoje, até na Assembleia da república se vai trabalhar. Mais, hoje, na Assembleia da república vai trabalhar-se antes da hora do almoço. É por isso que Merkel vem. Das ist klare?!

domingo, 11 de novembro de 2012

Vem aí a heroína!

1. Segundo o presidente do Instituto da Droga e da Toxicodependência a crise está a levar ao aumento do consumo de heroína. (Pausa) Eu até admito que a crise tenha levado ao aumento da conta da luz, porque a malta está desempregada e passa muito mais tempo em casa... (Pausa) Eu até admito que a crise aumente os níveis de estupidez das pessoas, porque têm mais tempo para ver mais programas da manhã e da tarde ou, pior ainda, que haja pessoas desempregadas que se deixaram "agarrar" à emissão 24 sobre 24 horas da casa dos Segredos no canal 10 do meo. Agora que a malta se ande a "agarrar" à heroína é que já não é muito crível... Desculpe lá, doutor Goulão, mas não me parece... É que... como é que hei-de dizer isto, a heroína é, como é que se diz aquilo, cara! (Pausa) Eu sei do que falo, porque ainda há bocado saí para comprar cinco doses para o jantar, que aqui em casa somos cinco a contar com os miúdos, e por isso estou bem a par dos preços. Ainda assim, o doutor Goulão está há tantos anos no IDT, que as suas palavras devem ser escutadas e, por isso, vou estar mais atento. (Pausa) O doutor Goulão é a prova de que, quando se entra no mundo da droga, é muito difícil voltar a sair...
2. Miguel Relvas volta a envolver-se em cenas de "pancadaria" com jornalistas. Primeiro, foi aquela cena com a jornalista do Público, agora, parece que os seus (três?!) seguranças deram um chega para lá a um jornalista à paisana com quem se cruzou por acaso nos Açores. É assim, começo a achar que tudo à volta de Relvas é tremendamente exagerado. Qualquer coisa que ele faça é empolada... Por exemplo, as notícias sobre o caso da licenciatura de Relvas foram manifestamente exageradas...
3. Das duas, sessenta e nove: ou o professor Marcelo teve uma paragem do menisco ou aquele vídeo é o resultado final no movie maker de um trabalho do 1.º ano do curso de Assistência Social, no qual o professor ensina a cadeira de Introdução à Autocomiseração Nacional. Nunca tinha visto tantos portugueses juntos a pedir dinheiro na rua como no vídeo do professor. Será que os alemães vão ter pena nossa?
4. Acabo de ver o progenitor da Ana Malhoa a dizer que lhe meteram a mão no bumbum, mas está tudo bem, não precisam de ir a correr telefonar à polícia, porque ele estava satisfeito com isso, até estava a cantar e a dançar enquanto dizia que lhe faziam aquilo.
5. Merkel chega amanhã. O anúncio da vinda da Chanceler alemã assemelha-se ao anúncio da tempestade Sandy. É injusto. Merkel destrói muito mais. De qualquer das formas, prevê-se que  o consumo de heroína suba 200 porcento só entre as 11 e as 17 horas desta segunda-feira.
 
 
Crónica humorística 
 
 

sábado, 10 de novembro de 2012

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Banco alimentar contra os pançudos!

Ora viva a todos, mas mais àqueles que não têm dinheiro para comer bifes todos os dias e, mesmo assim, insistem em ter aparelho digestivo... e pô-lo em funcionamento! Esta crónica é para vocês, que têm umas coisas a aprender com ela, como serem mais humildes e contentarem-se com o que a vida vos dá, depois de dar às PPP's, aos presidentes dos conselhos de administração de bancos, aos presidentes dos conselhos de administração de capitais europeias da cultura e à Isabel Jonet. É assim: para vocês, seus lambões, tenho duas palavras no modo imperativo: - Comam menos! Não sabem quem é a Isabel? Eu também não sabia, mas agora já sei: é a pessoa que quer reconstruir o país com arroz e colar tudo com nutela. Vão experimentar o método na Madeira, e depois vão aplicar ao continente. É assim: pessoas que não têm dinheiro para comer bifes, mas que têm estômago para isso, das duas uma: ou se disciplinam e aprendem a comer arroz, e a dizer "aloz, aloz" de mão estendida sempre que virem a senhora Jonet a passar de mercedes classe A na baixa, ou submetem-se a uma intervenção cirúrgica para introduzir uma banda gástrica, que esta vida não está para pançudos! Quem achar que isto é humor popular, tenho a seguinte informação a dar: isto não é humor. Esta malta que só quer lambices faz-me lembrar aquela gente que, só porque lhe apetece, quer ir ao cinema, ao teatro ou comprar um livro. Como se fossem pessoas!... Xi! Tss, tss!... É um país que vive acima das suas possibilidades e que não merece os políticos que, como sabemos, vivem em dificuldades com os salários, as reformas, os motoristas, os audis e os bmw's, as despesas de representação, deslocação, e alojamento. Agoram metam a mão na consciência, vão lá congelar até 2020 os bifes que tiraram da arca frigorífica para o jantar e pensem bem no que andam a fazer nesta vida! E se puderem passar já para a outra e não darem mais despesa, isso então é que era... Já agora, ponham os olhos no exemplo de Candice Swanepoel, a top model alemã conhecida por praticar um desporto radical chamado "barriga negativa". É arriscado, é verdade, mas quem tem gosto por emoções fortes e gosta de adrenalina e de viver abaixo das suas possibilidades, poderá ajudar o seu país não comendo e ir desfalecer para os desfiles da Fátima Lopes. Ou então, podem emigrar e ir engordar longe! Seus pançudos!
 
 
Crónica humorada escrita para rádio

Apontamentos para stand-up

Há certas coisas com as quais embirro. Uma delas são entrevistas em que toda a gente já sabe o que vai ser dito. (Pausa) Há entrevistas "tipo" para cada situação. Por exemplo, em alturas de crise são recorrentes os trabalhos jornalísticos sobre pessoas, normalmente, jovens que fazem determinado investimento. Uma loja concept, uma mercearia, uma linha de roupa interior, uma empresa de web design, qualquer coisa, não interessa. A pergunta da praxe é:
O que o levou a investir numa altura de grave crise económica? (Pausa) A resposta será ainda menos surpreendente (o tom do comediante deve revelar o tédio que lhe causa a ausência de surpresa):
- Porque é em alturas de crise que se deve investir! (Pausa) É incrível como tudo já está dito mesmo antes de ter ser dito. E a gente presta atenção àquilo como se ficássemos verdadeiramente surpreendidos! O que eu gostava de ouvir era a jovem arquitecta que lançou uma linha de roupa interior com motivos arquitectónicos dizer:
- Por que razão resolvi investir nesta área de negócio? Porque é uma excelente oportunidade para ter sexo casual com os clientes que aparecem na loja para oferecer roupa interior às mulheres. (Pausa) Ou então:
- Porque não fecho lá muito bem a tampa e deu-me para isto. Por exemplo, no ano passado, deu-me para atravessar cascais toda nua ao volante do Fiat Punto cabriolet, que o meu pai me deu quando fiz dezoito anos.
Ou então, aquele jovem bancário que apanhava umas ondas nas horas vagas e que resolveu abandonar tudo e ir para a costa alentejana abrir uma escola de surf. À pergunta inevitável:
- O que o fez mudar radicalmente de estilo de vida? Ao invés de responder:
- O amor ao surf, à natureza, estava farto do ritmo da cidade. Ele responderia antes:
- Para não fazer nenhum e andar na boa vida. Isso é que era.
- O que é que fazes na vida?
- Nada, mas cobro caro por isso! Assim estava bem!
Enfim, embirro porque isto é tudo muito bonito, mas só investe em nichos de mercado, quem tem nichos de carteira para pagar estudos de nichos de mercado. Eu, por exemplo, tenho nichos de ideias e cheta para investir...
 
notas para stand-up comedy

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Angel-A in the house, yoh!

Angela Merkel, primeira-ministra russa, anda em périplo pelos países que estão a receber ajuda externa. Já foi à Grécia e agora prepara-se para vir a Portugal. Para esta viagem, Merkel comprou um par de galochas novas, para não sujar os pés na pocilga, e anda a treinar caretas feias - o que no seu caso até está a ser bastante fácil, basta ser ela mesma e deixar as coisas rolar - e gritos ameaçadores. A líder russa já fez saber, a partir da capital alemã, que anda a ver vídeos antigos de José Sócrates e Manuel Pinho no Youtube para se inspirar a fazer, respectivamente, gritos ameaçadores e caretas feias como deve de ser. A visita de Merkel está marcada para o dia 12 do presente mês de Novembro e, segundo consegui apurar junto de mim próprio, a senhora traz dois grandes objectivos na bagagem: o primeiro é ser o rosto de uma campanha publicitária de uma conhecida marca de laca, fazendo esquecer de vez grandes nomes do mundo da laca como Margaret Tatcher e, mais recentemente, Adele, e afirmando-se, simultaneamente, como uma marca de referência no mercado das anti-aéreas; o segundo, é tentar convencer os portugueses a não aderirem à greve geral marcada para dia 14, precisamente, dois dias após a sua viagem relâmpago. Para levar os portugueses a esquecerem a greve, Merkel abriu os cordões à bolsa e encomendou um grandioso espectáculo de fogo de artífício, concertos em simultâneo da família Carreira no Porto, em Lisboa e em Faro, uma gala de São Martinho da Casa dos Segredos, apresentada, claro, por Teresa Guilherme e difundida para todo o país pela TVI e, para os locais mais remotos de Portugal, por Cristina Ferreira e Júlia Pinheiro e, finalmente, uma feijoada na ponte Vasco da Gama, sem custos para o utilizador. Ao que parece, Ângela Merkel ficará no nosso país apenas durante quatro horas, ao que consegui apurar, por causa do cheiro... Durante este curto período de tempo, a presidente da câmara de Moscovo vai reunir com Pedro Passos Coelho e Aníbal Cavaco Silva, respectivamente, Adidos em Portugal de Angela Merkel para Questões Menores e para Questões Menores Ainda, mas recusou encontrar-se com Medeiros Ferreira ou ser entrevistada por José Gomes Ferreira. Ainda ponderou aceitar o convite de Fátima Campos Ferreira para o "Prós e Contras", mas apesar de nutrir simpatia pela emissão desta conhecida entretainer, a duração demasiado longa do popular "Talk Show", assim como a insistência de Mário Soares em permanecer no mundo dos vivos, acabaram por levar a líder do governo do Cáucaso do sul a declinar o simpático convite da RTP. Finalmente, também António José Seguro tentou uma audiência com Angela Merkel, mas a czarina, que se faz acompanhar por uma comitiva de CEO's de grandes empresas alemãs, como a Gazprom, já fez saber que a tapeçaria rosa não é a sua preferida, mas agradeceu a intenção e até disse que o Seguro morreu de velho, logo que Seguro terá ainda muito tempo pela frente para se encontrar com ela.
Crónica humorística para rádio

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Serviço noticioso

Noticiário (versão televisão):

Pivô - E agora, o desporto. A equipa do Sporting estreou ontem à noite treinador novo mas, para não mudar tudo de uma vez, que o coração das pessoas, sobretudo dos adeptos, poderia não aguentar tanta mudança em tão pouco tempo, continuou a perder.
 
(Muda o plano. Passam algumas imagens do desafio enquanto o pivô continua a leitura do teleponto)
 
Desta feita, a derrota foi frente ao colosso Vitória de Setúbal, e a  equipa de Veucatem... (A imagem regressa ao pivô, que franze o olho, tenta ler o nome do treinador do Sporting, mas sente enormes dificuldades) Veltempem, Veu... ãh... É sempre assim, quando finalmente consegui ler o nome do Wolfswinkel ele deixou de marcar golos... Quando conseguir ler o nome deste tipo no teleponto já é natal e o homem já foi despachado para a Bélgica, onde o clima é bem mais ameno que em Alvalade...
Ainda no desporto mas, desta feita, para falar mesmo de futebol, o Benfica recebeu e bateu o Vitória de Guimarães, enquanto o FC Portou despachou o Marítimo por cinco bolas a zero e manteve a liderança, a par com os encarnados. Os dois rivais seguem de mão dada no topo da tabela classificativa, o que para rivais é uma mariquice sem nome... (Muda o plano)
Seguimos agora para a actualidade internacional. Toda a gente já sabia que a Europa estava na direcção errada, desde que Angela Merkel fixou o indicador na Rússia para localizar Berlim... (Muda o plano) Se no início, esta parecia apenas mais uma prova de que as mulheres não sabem distinguir a esquerda (Muda o plano) da direita (Muda o plano) e, por isso, não podem ir à tropa, conduzir camiões ou ir ao norteshopping sem o acompanhamento de um cão-guia, mais tarde os médicos acabaram por revelar que o problema é mais grave do que isso. A Europa está a ficar senil, já não sabe onde deixou as chaves de casa e os nomes das cidades e dos países que a compõem... Parecia que a situação poderia mudar com a atribuição do prémio nobel da Paz à União Europeia, mas o efeito foi ainda mais devastador. O nosso canal está em condições de assegurar, e passamos a citar fonte anónima da União Europeia e que, só por causa disso, e só mesmo por isso, pediu para que não revelássemos o seu nome: "anda tudo à porrada". O motivo é simples: os responsáveis europeus não se entendem quanto ao nome daquele que irá receber o distinto galardão em nome da União Europeia. Anda uma guerra para ver quem vai receber o prémio nobel da paz em nome da união europeia e isso não é nada bonito.

(Muda o plano. Aparece no ecrã em letras garrafais "Última Hora")

No fecho desta edição, voltamos à notícia de abertura deste serviço noticioso para referir que estamos em condições de garantir que o Sporting ainda não despediu ninguém desde que este telejornal principiou. Há dois minutos atrás algumas agências de comunicação começaram a veicular rumores de que a chefe do serviço de limpezas e atoalhados da equipa de fu... (Pára, reformula...) da equipa de "aquilo que o Sporting faz" teria sido despedida por Godinho Lopes, que sofre de uma compulsão para o despedimento individual não tratada, mas esta notícia foi já desmentida pelo próprio Godinho Lopes, que disse, e passo a citar: "nunca, em momento nenhum, a direcção do Sporting Clube de Portugal ponderou sequer despedir a dona Rosa. Ao contrário do Wolfs..., do Wafflles, do Ricky, a dona Rosa resolve muita coisa. A única pessoa que eu despedi hoje foi a minha empregada de limpeza lá de casa, mas entretanto já a readmiti antes de vir para aqui, e até já lhe pedi desculpa e prometi-lhe não voltar a despedi-la até ao final da semana".
 
Boa noite, obrigado por ter estado desse lado.
 
Sketch humorístico
 
Notas finais: ´
- Se o orçamento der, a parte do Godinho Lopes é feita por um actor, e não apenas citado pelo pivô;
- É facilmente adaptável para Rádio;
 

sábado, 3 de novembro de 2012

Stand-up para um humorista gordo

(Primeira parte)
 
A maioria das pessoas fica chateada com os "novos ricos"... Acho aceitável, até posso compreender o porquê, sobretudo, aqueles novos ricos que apareceram como cogumelos nos anos 90' e puseram os filhos a estudar na Lusíada...
Mas a mim, se quereis saber o que me chateia mesmo, são os "novos gordos". (Pausa)
 
Haverá relação causa-efeito entre "novos ricos" e "novos gordos"? É provável, mas fazer ciência experimental não é o que me move neste "cena" contra os "novos gordos".

O que me move é o interesse nacional! E quando é o interesse nacional, tudo o resto passa para segundo plano.
 
Se os "novos ricos" não têm berço, os "novos gordos" não têm "Vista Alegre". Muito menos faqueiros de prata... Os "novos gordos" comem com as mãos, de preferência, fast food, e são lambões.
 
Eu peço desculpa se estou a puxar um assunto eventualmente constrangedor para alguém, eu sei que há pessoas que podem ter destes "seres" na família. Hoje em dia, não sei se já repararam, parece que há sempre um destes em todas as famílias. Se vocês são daquelas pessoas que encaram bem isto de ter um "novo gordo" na família, e até acham que dá um ar muito moderno ter alguém na família obeso, e não ter vergonha disso, então, metam-lhe uma trela ao domingo e vão passear com ele para a praça da alimentação do shopping mais perto... Se, por outro lado, vocês forem do género que lidam mal com isso, então podem sempre continuar a alimentar o bicho como se não houvesse amanhã e depois mandem abater, sem ninguém saber, e fazer uma pipa de massa em latinhas de foie gras... Estou a brincar... Não mandem abater, mas façam à mesma o foie gras.
 
- Ah, é um preciosismo teu distinguires os "novos gordos" dos "gordos", tout court... Isso dizem vocês com aquele tique de falar com a ponta da língua encostada à gengiva superior, e que arruma com qualquer galicismo... É assim, posso garantir-vos de que não se trata de qualquer preciosismo... Há um abismo entre estas duas categorias de gordos... Desde logo, o hálito... O dos "novos gordos" é insuportável... Comparem o hálito que um hambúrguer de cebola deixa na boca com o de um cozido à portuguesa? Comprem!... E depois digam qualquer coisa... É a diferença entre chupar um rebuçado de mentol ou um dente de alho!... Outra diferença é a maneira de vestir... Os "novos gordos" acham sempre que ainda são magros e, por isso, continuam a tentar vestir "S's" e "M's", o que dá lindas figurinhas na rua... Quem já teve de levar com as bordas de gordura duma lontra de aviário, a quem um top, que deveria dar logo abaixo do umbigo, dá logo abaixo do peitoral, sabe do que estou a falar... Um gordo de berço usa roupas feitas à medida, de preferência, pela mãe, ou então por um costureiro maricas da confiança da mãe... Finalmente, "os novos gordos" querem sempre emagrecer e estão constantemente a fazer programas de emagrecimento... Os "gordos" não fazem programas de emagrecimento... Fazem programas de televisão e só fazem dieta por questões de saúde.
 
Texto escrito para espectáculo de stand-up comedy