quarta-feira, 15 de agosto de 2012

A crise...

A crise acaba em em 2013, prometeu Pedro Passos Coelho no Algarve. Um gajo chega ao Pontal e fica cheio de ponta... Só pode. Eu nunca fui ao Pontal. Ponto. Agora, se fosse, não posso afirmar que não me desse para o mesmo. Apontar, no Pontal, para o fim da crise em 2013... Caramba... Deve ser uma coisa inevitável... Um gajo chega ao Pontal e aponta... em direcções... É assim, vai-se daqui até 2013. Lá chegados, vai-se em frente, sempre por este caminho e chega-se ao fim da crise... Nada mais plausível... Um ponto final na crise, no Pontal, no Algarve... (Pausa) Um sítio onde há mais de 25% de desempregados... (Pausa) Plausível... Nada mais plausível... O problema é que as pessoas têm tanta dificuldade em acreditar nos anúncios do fim da crise, como nos anúncios do fim do mundo... Ambos cheiram a Manuel Pinho e as pessoas têm tendência para manguitos quando lhes cheira a Pinho... No caso, nem é bater na madeira para dar sorte... É bater no ceguinho... Ah, o primeiro ministro quis lançar um sinal de esperança ao país... Se ainda aparecesse qualquer coisinha em Fátima outra vez é que dava jeito... Ou a mesma coisinha, só que agora a cores e com transmissão e directo... E comentários da Fátima Campos Ferreira, em directo da capelinha das aparições... Aí é que era... Ou se o primeiro ministro dissesse assim, só que em grego: ah, diabos me levem se não saímos da crise em 2013... E se não sairmos, raios ma partam se não me imolo pelo fogo em cima da estátua do marquês... Sobretudo, se para além de não sairmos da crise o Benfica voltar a não ser campeão... Por estas e por outras é que a Manuela Ferreira Leite não ia ao Pontal... Enfim, uma das coisas que eu mais gosto cá na crise é, precisamente, de estar do lado de da crise... É que deste lado não se vê um palmo à frente do nariz... É como estar no olho do furacão... Não deve haver pior sítio para observar o furacão do que o olho do bicho, por mais paradoxal que isto possa parecer, sobretudo, para aquelas pessoas que pensam que o furacão é um fantasma de ar com uma unicórnea... Ah, isso que tu estás a dizer vilipendia... Pois, mas ao menos não fere, ao contrário da vossa ignorância... Que me magoa... O que é certo é que metade do país já foi embora... A continuar assim, não vai ficar em Portugal um português para amostra... A questão não é tanto, assim, o que vai ser de Portugal? A questão é mais: o que vai ser do mundo com tanto português à solta por aí?... (Pausa... Dar tempo para o Olympia se acalme...) Entretanto, e na sequência do que estava a dizer, esta semana deu nas vistas o maior abraço do mundo protagonizado por escuteiros portugueses... Foram dezassete mil que num minuto acasalaram pelos bracinhos em Idanha-a-Nova... Como tenho amigos escuteiros, liguei-lhes logo a pedir explicações e se tinham participado naquele bacanal de boas intenções... Eles garantiram-me que não, que aquilo tinha sido organizado por agrupamentos do norte, que são uns mariquinhas, e que a malta do sul que é escuteira, segue os princípios da legião francesa... E na legião, quando se acasala, não é assim... Sobretudo, quando em causa está um record do mundo... Como diz um amigo meu, que é para mim uma autoridade em questões de escuteiros e de crise, só para meter nojo, vamos ficar cá!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Era só para ver se te passavam os soluços... Que chatice!

O homem que pôs fogo a um prédio em Queluz, resultando na morte de três pessoas, disse à polícia, segundo a comunicação social, que só queria pregar um susto à ex-cunhada e à filha desta.

Por que razão colei um add do professor Karim na porta do meu frigorífico? Não sei mas dá um grande título para este "arroz de quinze"

O que vale é que a Maya reabre o consultório ainda antes do mês acabar... Se, por um lado, este facto pode fazer aumentar ainda mais a previsão de empresas que abrirão insolvência já em Setembro, por outro, pode dar um novo alento a todos os professores... É que a Maya já foi professora, das primárias é certo, mas olhem onde ela está hoje!... Já viram?!... (Pausa) Não?!!!...

Pensamento do dia

Para além de milhares de empresas, outros tantos professores prometem meter a insolvência em Setembro.

Porque amanhã é um bom dia para rezar...

sábado, 11 de agosto de 2012

Série: tirando as devidas ilações da sabedoria popular...

(Entre pai e filha)

Pai - Filha, nem sei bem como te dizer isto...
Filha - O quê, pai? Vá lá! Desembucha! Já estou a ficar preocupada!
Pai - Descobri que sou gay!
Filha - Mas como... quando é que isso foi?
Pai - Foi ontem ao dar um passeio na baixa...
Filha - Descobriste que és gay aos 50 anos a passear na baixa?
Pai - (Encolhe os ombros... Abana que sim com a cabeça)
Filha - Mas quê, foi a primeira vez que foste à baixa em 50 anos?
Pai - (Efemina os gestos) Vi o homem mais lindo à face da terra...
Filha - (Olha os gestos com estupefacção) Mas pai, isso não quer dizer que sejas gay!...
Pai - Das duas, uma: ou o homem era objectivamente bonito, e então o meu fascínio não foi mais do que uma experiência estética... O sublime atrai sempre o olhar e aquilo foi apenas uma experiência kantiana... (Efemina outra vez os gestos) Ou eu sou gay e senti-me atraído por aquele deus grego que passeava na baixa de Lisboa ontem de tarde...
Filha - (Faz uma cara de quem não compreendeu nada) Pai, estás ao corrente que eu andei na escola até ao 5.º ano de gestão mas deixei de estudar na quarta classe?...
Pai - (Ignorando o comentário da filha, como se não o tivesse ouvido) Como a beleza é relativa, eu sou é gay...
Filha - (Como se de repente tudo fizesse sentido) Hum... Agora compreendo, pai! Porque não disseste logo?! Já disseste à mãe?
Pai - (Encolhe os ombros... Abana que não com a cabeça)
Filha - Aí é que vão ser elas...
Pai - (Encolhe os ombros... Abana que sim com a cabeça)
Filha - Olha, também tenho uma cena para partilhar contigo...
Pai - (Arregala os olhos como se acertasse um zoom imaginário)
Filha - Estou grávida!
Pai - O quê?! Ainda agora saíste da universidade! Nem trabalho tens! Como é que isso aconteceu?
Filha - (Olha o pai com a expressão no rosto "queres que te faça um desenho")
Pai -Tens a certeza?
Filha - Ou estou grávida ou isto são os restos dos enjoos do cruzeiro que fiz com o Joca há duas semanas no mediterrâneo... A primeira semana passou-se bem... Agora os últimos dias, nem te digo nem te conto, passava a vida a vomitar...
Pai - Um cruzeiro que fizeste com quem?
Filha - Oh pai, o Joca, já namoramos há dois meses... Já te falei dele... 
Pai - (Arregala os olhos) Mas...
Filha - Precisamente, mas... como não há coincidências, estou é grávida de três semanas...
Pai - Já disseste à mãe?
Filha - (Encolhe os ombros... Abana que não com a cabeça)
Pai - (Efemina os gestos) Aí é que vão ser elas...

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Língua morta

Eu apreciava o Crato, sobretudo quando era só uma terra, ou só um museu, e não falava... Agora, desde que o sacaninha ganhou vida e começou a andar e a dizer coisas, fo..-.., só me apetece mandá-lo deitar abaixo. Ao que parece, a última da Silly Season no campo da educação, que tem a sua agenda própria em termos de estupidez de veraneio, é colocar os excedentes de professores de Português e Inglês a dar Latim... Já ouvi muita contestação, mas é das poucas coisas que Crato tem feito que, na verdade, faz algum sentido... Primeiro, abate-os, depois, põe-os a dar línguas mortas... É coerente... Eu próprio ponderei escrever e dizer este texto em latim, mas o Manuel António Pina que há em cada um de nós não há, infelizmente, em mim... Nem a Amália... O que tenho procurado pela malandrinha, sobretudo, nos graves, mas nada até agora... Na educação, é tudo de arrepiar... E reparem que nem sequer estou a falar das imagens de arquivo da Maria de Lurdes Rodrigues... Ou da universidade de verão que o Relvas escolheu para passar férias... (Pausa. Esperar que o Royal Albert Hall se recomponha...) Uma das coisas que Crato quer promover é a autonomia do aluno... Ora, isso, lá está, só se consegue se se puser o professor a milhas... Para deixar o menino à vontade, quase em processo auto-didacta... Ah, isto vai ser assim tão mau e os papás não dizem nada?, atiram vocês naquele slalom pela zona central que tão bem caracteriza o vosso arrazoar agulha (Pausa)... É normal que os pais, na sua qualidade de encarregados de educação, tenham de prescindir de gastos supérfluos... como a educação dos filhos. Já não há dinheiro para luxos, isso é que era bom... Os cachopos querem estudar? (Pausa, o actor parece hesitar...) Ou, pelo menos, querem ir para a escola? O estudar depois vê-se... Então vão trabalhar até aos trinta, desempreguem-se ou entrem na política, e esperem uma nova oportunidade... Agora tenho de ir ensinar latim aos meus filhos que é para ver se eles em Setembro compreendem o português...

terça-feira, 7 de agosto de 2012

O autor salva o país do colapso económico

Actor - (Escrevendo no computador, a imagem é a do texto a crescer no monitor à medida que vai sendo escrito/Dito em pensamento) Tenho andado fora. (Pausa) Tenho sido um autor ausente. (Pausa) Peço-vos perdão por isso... Prometo compensar-vos... Mas o autor tem uma vida complicada... Para já vocês ainda são novos e não percebeis, mas um dia, quando vocês crescerem, eu explico-vos tudo... Agora tenho de ir... O que é que o autor faz? (Pausa) Por favor, não me façais essa pergunta, não entenderíeis... (Silêncio, leva a hipotenar ao canto do olho, enxagua aquilo que parecem lágrimas e abafa aquilo que parecem soluços, se o actor for mais ou menos). Agora ide à autora, que o autor tem de ir em missão salvar o país do colapso financeiro e das garras do terrível Coelho... Quero dizer... O autor tem de ir trabalhar... (A câmara afasta-se, apercebemo-nos de uma secretária com uma jovem mulher que escreve ao computador... O autor dá um beijo nos lábios da autora, que o agarra pelo pescoço e força uma despedida mais prolongada e melodramática...)

domingo, 5 de agosto de 2012

Os apóstúlús

 Conforme isto anda, com a crise e tudo, está bom para seitas...Ah, lá estás tu a falar do Passos Coelho, o Gaspar e do resto dos amigos!... Nada disso, estava mesmo a falar de seitas religiosas... E nós também, dizem vocês naquele sentido de humor entre o Fernando Mendes e o Carlos Cunha, que vos caracteriza... A crise é, como toda a gente sabe, uma gaja pronta para engravidar de novas religiões... (Pausa) Ou como se diz em análises sociológicas em revistas sérias - e não falo da Visão, onde há por vezes nudez... - é um período fértil para o ressurgimento de velhas manifestações de cariz religioso, etc, etc... (boceja)... Quando me dá para ser possuído pela sociologia fico como Boaventura Sousa Santos, imperceptível... Enfim, isto tudo para dizer que no outro dia ia a passar numa rua e numa enorme vitrine, entre uma loja de electrodomésticos em segunda mão e um comércio de chineses - palavra de honra - deparo-me com uma igreja daquelas cujo nome parece o anúncio do fim do mundo... Como nestas coisas sou muito católico, vi "igreja" escrito na montra, e comecei a procurar uma cruz... (Pausa) Nem uma... (Pausa) Uma Nossa Senhora... Nada... (Pausa) Um anjinho que fosse... Aparições nem pensar e o único anjinho só se fosse o meu reflexo no vidro da montra... (Pausa) Ainda assim, estas igrejas não brincam em serviço e, se por um lado não possuem iconoclastia visível, por outro, na montra ostentam nada mais nada menos do que fotografias dos... (Pausa) apóstolos... Nem mais... Contei pelo menos quatro na montra, mas tenho a certeza de que se entrasse havia lá dentro todos aqueles que eu desejasse... (Pausa) Nestas coisas de apóstolos também sou muito católico, devo confessar... Eu gosto dos meus apóstolos mortos há pelo menos dois milénios, de sandálias e túnicas... Ah, e a fumar ganza, dizem vocês alarvemente...Isso é woodstock, também já foi noutro milénio, mas ainda assim não tinha apóstolos... (Pusa, que é Pausa sem o primeiro "a") Bom, no caso daquela igreja com uma montra havia fotografias de apóstolos de fato e gravata e gel no cabelo... Juro que se não houvesse referências a uma igreja eu juraria de que se tratava de uma nova imobiliária... Nomes como Rodrigo, Valdemar ou Raimundo, ou em linguagem eclesiástica, Rôdrigô, Valdemá e Raimuuundu, precedidos do epíteto "Apóstolo" colocavam-nos ali, lado a lado com aqueles que, em primeira mão, foram eleitos para espalhar à palávrá! Só não entrei porque eu só estava a passar por ali para ir aos chineses, que tinham uma promoção de cristos super baratos e eu queria oferecer uma à minha sogra, que o dela caiu e partiu-se todo... O que eu comprei é de plástico, por isso, não corre o risco de partir e traz 12 apóstolos daqueles que eu gosto...
 Texto escrito para stand-up comedy

sábado, 4 de agosto de 2012

Olimpíadas...

Pois é, já entrámos no mítico mês de Agosto... (Pausa) Sobre este tema, era o que eu tinha para dizer... Agora vamos falar de meses que realmente valem a pena, como o mês de Setembro, que promete a sério este ano... Sobre este outro assunto, tenho duas coisas para dizer: já-está. Deve ser mais ou menos isto que Coelho, Gaspar e um décimo do país que manda no país todo vão dizer na rentrée. Com as empresas a insolver e o país a dissolver, isto promete coisinhas boas para o Outono... Era isto que eu tinha para dizer, só que estava entalado na garganta em francês, que era para ir treinando, mas falhou-me a língua no último momento. Estas sacaninhas (fala da língua, aponta para a língua, põe a língua de fora) às vezes são um bocado escorregadias... Entretanto, enquanto o mundo civilizado se entretém com os Jogos Olímpicos, a decorrer em Londres, a outra metade tenta entender o fenómeno... Eu, por acaso, faço parte de ambas as metades, pelo que tenho uma visão global que me coloca num patamar superior de análise neste assunto em particular. Pessoalmente, nunca fui muito atlético, pouca velocidade, pouca resistência... Isso nunca foi um problema para mim... (Pausa) Já para os atletas portugueses... (Pausa) Pode tornar-se um bocadinho complicado... (Pausa) Só um bocadinho... (Faz o gesto do indicador a aproximar do polegar indicando "um bocadinho") De nada... (Pausa) Sempre que chegam os jogos, fico com a impressão que andámos quatro anos a treinar ao contrário, a correr para trás... Levamos à letra aquela cena de fazer os 'mínimos' para ir ao jogos e, quando la chegamos, lá está, fazemos 'o mínimo'... Nos jogos, os atletas portugueses identificam-se da seguinte maneira: os que saltam para trás, para baixo, os que correm para trás, os que lançam para cima... Ah, estás a ser pouco justo com os atletas portugueses... Eles dão o máximo, representam o espírito olímpico, são porta estandartes nacionais dos valores das olimpíadas... Além disso, perder também é desporto... Fónix, vocês quando vos dá para tagarelar em grande, é uma alegria... Entretanto, a judoca Telma Monteiro, que já foi eliminada dos jogos, e esta até é das fortes e tem resistência, foi nomeada porta estandarte da delegação portuguesa nos Jogos. Um dos responsáveis do comité olímpico português justificou a escolha atendendo ao facto de a Telma ser uma atleta de eleição e, para além disso, ser alguém que pela sua postura na vida é um exemplo para milhões de portugueses... (suspira, evidenciando cansaço pela extensão da última frase... Olha a plateia e diz:) Não sabia que vocês também trabalhavam no comité olímpico... Pensei que só trabalhassem aí sentados a ouvir disparates... Se bem que no comité também se corre sentados, não é? (Pausa) "A Telma Monteiro é um exemplo para milhões de portugueses..." Impecável, acho muito bem... Agora só falta saber quem é a Telma Monteiro... Xau, beijinhos na Irina que está sentada ao vosso lado...


Texto escrito para stand-up comedy...