sexta-feira, 20 de julho de 2012

Fogos de verão...

Ou é de mim ou há restos de comida a sobrar da cozinha do Ronaldo que já nos ia servindo? Se ele vai deitar fora, nós aproveitávamos, ou não? Não há cá vergonhas, ou há? Eu, pelo menos por mim falo, já marchava uma Lampreia à Bordalesa ou umas Ovas de Peixe, e não tem nada de mal a gente admitir que já precisa de ajuda para comer... (Pausa) caviar, ou tem? Ah, estava a ver?! (Pausa) Desculpem o mau humor, é que não estava habituado a passar necessidades e isto de não poder ir ao Mónaco este ano está a dar-me a volta ao miolo. Pois é, o país já ardeu há muito, mas só agora é que chegam notícias de que está a arder em certos pontos... (Pausa para Carnegie Hall serenar) Em 60 pontos para ser mais preciso, segundo os últimos dados da Autoridade Nacional da Protecção Civil. Os casos mais graves parecem ser aqueles que lavram em Tavira, no Algarve, e na cidade do Funchal, na ilha da Madeira. Pessoalmente, acho muito estranho que um país que está queimado há tanto tempo só agora é que arda, mas nem nos processos auto-destrutivos Portugal parece ser um país organizado e com método. No caso da Madeira, estou sempre a ver se vejo o Alberto João em trajes menores (ou todo vestido, estou convencido, que vem dar ao mesmo) a sambar na primeira linha de fogo... Tenho a certeza que aquilo baixava logo as temperaturas e tinha um efeito inibidor das labaredas... Enfim, são coisas que me incomodam, e algumas até me chateiam, só espero que os bombeiros parem de gastar água em terra ardida, que só em tarifas de disponibilidade de água, drenagem de águas fluviais, resíduos, disponibilidade de águas residuais, taxa de recursos hídricos e mais 20 outros impostos associados à continha da água, a protecção civil vai receber uma factura enorme... E depois ainda falta pagar a água efectivamente consumida, mas isto é o menos!... Eu propunha, para não dizerem que isto é só criticar, mas soluções que é bom, nada!, que, para financiar a protecção civil, os direitos de transmissão televisiva dos incêndios fossem negociados com as operadoras de televisão... Era uma fonte de rendimento interessante e estou certo que muitas estações nacionais estariam interessadas, atendendo à cobertura que dão aos fogos estivais... Substitui bem, em termos de espectacularidade, o futebol, que no verão está parado e mantém as pessoas agarradas ao ecrã até à última casa ou arbusto ardido... Xii, de quem seria aquela carqueja que ardeu mesmo agora?... Aposto que é daquela senhora de óculos em leggings que acaba de desmaiar mesmo à frente daquela câmara de televisão... da TVI... Xii, olha a tangente daquele Cessna na frente sul do fogo, que só de frentes obriga a duas rodas dos ventos para ser devidamente descrito... Depois, quanto mais frentes um fogo tivesse, mais caros seriam os direitos de transmissão... Imagino já um agente incendiário - vestido de fato e gravata e cheio de gel no cabelo e que, apesar de homem, parece ser capaz de dar à luz, caso seja necessário para fechar o negócio - a comercializar fogos, com várias frentes:  "- Só de frentes, são dois hectares, com vista para o mar, ou então, se preferir, temos este com menos frentes e vistas de montanha para metade do preço..." Deus vos ajude, que eu não posso!

Crónica escrita para ser lida por um actor

Nenhum comentário:

Postar um comentário