domingo, 29 de julho de 2012

Excerto para stand-up

Já fiz muita coisa na vida, desde matar pessoas de susto... a matá-las mesmo, porque há pessoas que não gostam que as assustem... (Pausa) Muito menos, quando é para as matar... E depois zangam-se e normalmente até dizem: - Ah, para a próxima que me mates, usa uma faca ou assim, que eu estou farta que me mates de susto. (Pausa) Há ainda as pessoas, que de certezinha que são primas das pessoas que detestam que as matem de susto, que, e passo a citar: - Porra, quase que me matavas do coração, arre! (Pausa mais prolongada)  Parece que não, mas é pertinente especificar... (Pausa) Há pessoas que preferem morrer do fígado, ou dos rins... - Ah, o meu pâncreas parou de bater!... Pertinente, ou não?... (Pausa) Estão-me sempre a fazer a mesma pergunta: - Com uma vida assim tão rica, com tantas experiências tão singulares, o que é que ainda te falta fazer? A essa pergunta, respondo sempre da mesma maneira: - Ainda me faltam fazer algumas coisas... (O indicador da mão direita vai percorrendo os dedos da mão esquerda, um a um) Ainda me falta subir ao cume de uma grande montanha... Ainda me falta ir a Nova Iorque... A um casamento gay... Não queria morrer sem ir a um... Deve ser como num filme do Kusturica, só que com má música... E só com homens... (Pausa) Quer dizer... (Pausa) Falta-me ir ao São Bentinho a pé... E gostava muito de ir... Para ver como é... O São Bentinho... Ver se há pessoas e assim... A peregrinar... E confirmar se aquilo acaba com os convidados todos na suite nupcial... Quer dizer, na nave principal da Igreja... como vocês acham que acaba, e depois se vai cada um para a sua casinha e pronto... Ou se... Fica ali tudo a rezar até às quinhentas... (Pausa) No outro dia, fizeram-me outra vez a mesma pergunta: então, o que é que ainda te falta fazer? E eu perguntei: hoje? Então, hoje ainda me falta ir ao dentista, levar o carro à inspecção e pegar-me com o vizinho... Gosto sempre de me pegar com ele de manhã... Mas hoje saí mais cedo e o ca.... não teve o cuidado de se levantar à mesma hora que eu para eu me poder pegar com ele à vontade. Faz de propósito, o ca....! Para me irritar... O que é que um gajo responde a uma pergunta destas?! Olha, falta-me coçar o escroto e a seguir cheirar os dedos enquanto me fazes perguntas parvas... mas já estou a tratar disso...(Pausa) Enfim... Agora vou ali matar alguém de saudades e já venho cá para ver se essa é mesmo a vossa cara, ou se há esperança em dias melhores...

sábado, 28 de julho de 2012

Festival de Verão ou o Verão é um festival...

Anda metade do país em programas de emagrecimento e a outra metade de férias e a engordar alarvemente... Ou só a engordar, não interessa... O país já está em peso negativo mas a malta das dietas continua a lutar por objectivos. - Olá, eu sou a Paula e desde que comecei esta dieta da nutribalance sinto-me outra, sinto-me o Carlos Manuel e sou camionista. Fo..-.., eu processava a a empresa de produtos dietéticos que me fizesse sentir outro. Essa mer.. chama-se esquizofrenia e apesar de dar inimputabilidade, marca um gajo todo, ou como me está aqui a bichanar ao ouvido o intelectual francês que vive dentro de mim desde o início do ano, estigmatiza (enfatiza). Ou aquela outra... - Olá, o meu nome é Carla, mas só esta semana já fui a Nereida e a Irina e é curioso, agora que digo isto, estou a sentir que sou a Marta da OK Teleseguro, está a ver qual é?. Estou, estou... Duas bojardas de silicone nas mamas e ficam logo "outras", haja paciência... As pessoas não se dão conta - e este tipo de mulheres também não - que a imagem é, na verdade, uma espécie de holograma que está destinado a desaparecer... Trabalhar para esse holograma, é metafísica pura e dura... É uma cena que mete o Criador à mistura e os limites da existência humana e o diabo a sete, enfim, mete as forças do bem e do mal e convinha se calhar não ir por aí... Há pessoas que desistem de carreiras políticas de sucesso para ir estudar estas coisas para Paris... Não é para qualquer uma huma, muito menos, para aquelas que esguicham coisas para dentro do peito e escrevem huma. - Ah, tens de ter calma, é verão e no verão as pessoas - e este tipo de mulheres - gostam de se sentir mais bonitas, de mostrar uma boa forma física na praia, enfim, tens de ser mais tolerante... É assim, já que me interpelais, eu respondo: querem mostrar uma boa forma física quando vão para a praia, então levem a Irina com elas... Ou a Nereida... Por exemplo, a Ana Avoila levava a Irina e a Heloísa Apolónia levava a Nereida... Ah, estás a ser injusto, pois foste escolher logo o nome de duas mulheres de esquerda, com ideais e pensamento próprio, que não vivem agrilhoadas a esses arquétipos de perfeição física... Fo..-.., desde que vocês aprenderam a falar não quereis outra coisa... Quem é que vos escreve a vossa parte dos textos, a Odete Santos? Enfim, por falar em Verão, sempre que chega a esta época do ano há dois tipos de pragas: os gafanhotos e os festivais de verão... Já não há pachorra... Já por causa das coisas, no início do Verão fui a uma drogaria comprar um insecticida para gafanhotos, e  o senhor disse-me: - Temos este, que é garantido, amigo! E eu, em nome daquela amizade, perguntei: - E para festivais de Verão, também é eficaz? Aí, ele encolheu os ombros e disse: - Não, para isso tem de ser um mais potente... Para isso, só se for material alemão, é o melhor... Mas não se vende por cá, e mandar vir fica muito caro... Já muita gente tem passado por cá a perguntar, mas eu dou sempre a mesma resposta: se quer prevenir pragas de festivais de Verão tem de pulverizar a sua zona com um produto alemão, se não, não há hipótese... Vai ter chatices... (Pausa) Chega de tendas Chillout, estou farto de betinhas em calções com bainha e sandálias a 200€ a fazer de conta que são cool! Depois, aquilo é sempre a mesma coisa: um acampamento para adolescentes com pessoas mais velhas pelo meio... Sempre os mesmos formatos, os mesmos alinhamentos, tudo sempre tão bem encaixadinho... São festivais de verão comprados no Ikea! É desempacotar, encaixar, aparafusar e já está! (Pausa) Há várias camadas de pessoas que vão a festivais de verão, mas todas elas se podem inserir em duas categorias: as que fumam ganza e as que não fumam. Depois, pode-se dividir os festivais por estilos, nomeadamente, estilos musicais, mas no fim também conseguimos encontrar duas categorias em que se podem inserir os festivais de verão: os que têm boa ou má ganza... Boa ou má arte é irrelevante, já o cheirinho da maconha é um critério de selecção de quem busca a qualidade quando se propõe a mergulhar no incrível mundo dos festivais de verão. Quando se diz: - ah, vou ao sudoeste porque tem o melhor cartaz, na realidade, o que se quer dizer é: - ah, vou ao sudoeste porque tem a melhor ganza... Apesar de ser muito batido ao vento e ser difícil acender o charro, acrescentaria eu!... Já o Avante, por exemplo, é um festival de verão com bandeiras... É a única coisa que o distingue das outras grandes festas de verão... E os garrafões de vinho... Ah, é um encontro de ideias e culturas ... Dizem vocês, naquele estilo Caras-Lindas que vos caracteriza que eu até nem sei se ela não incarnou nas vossas pessoas... Não é nada um encontro de ideias: é o encontro de uma ideia consigo própria, de uma cultura consigo mesma... É masturbação... É...
Xau! Boa noite, camaradas... Para a próxima, falo das pragas como eu...

Texto escrito para stand-up comedy

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Virus do Nilo alastra alastra aos Jogos...

 C'est le monde à l'envers, que é como nós, os intelectuais francófonos dizemos "o mundo de pernas para o ar", ou, como diz um boi barrosão que eu conheço, "o mundo de patas para o ar". Então não é que num jogo de futebol feminino (está tudo ao contrário nesta história, ou não está?!) entre as selecções da Colômbia e da Coreia de Norte, nos Jogos Olímpicos de Londres, no lugar da bandeira da Coreia do Norte foi hasteada a da Coreia do Sul? Eu imagino a carinha das jogadoras (salvo seja) norte-coreanas a olharem, de olhos bem arregalados, para a bandeira do arqui inimigo... Aqueles olhinhos em bico norte coreanos, tão diferentes dos olhinhos em bico sul coreanos, a esticarem cada vez mais... Trata-se de uma confusão lamentável por parte do organização dos jogos, que ou revela ignorância, ou revela um péssimo sentido de humor (e eu sei o que isso é, believe me em norte coreano). Mais lamentável ainda, porque a humorista grega Paraskevi Papahristou acaba de ser afastada dos jogos por não ter conseguido os mínimos olímpicos com a piada sobre o virus do Nilo... Quem afasta agora a organização dos jogos olímpicos da organização dos jogos olímpicos? É a pergunta que eu deixo em grego da Coreia do Sul... Só mais uma coisinha: se pusessem as selecções da Reader's Digest a jogar nada disto acontecia, pois é malta culta e que sabe tudo. Agora vão mas é ó Zêzere tomar banhinho que o Nilo está cheio...


Trovoada

Ainda tenho a trovoada da última madrugada a fazer curto nos rins e estou a suar em pinga desde as 11 da manhã e não há nada a fazer. É o tempo que vai por aí. Curto está também a fazer a malta da Frente Comum, que resolveu ir a banhos para a Praia do Comércio. Ah, foi para a Praça do Comércio e trata-se de uma acção de protesto, está mas é caladinho, oh bovino! Acho que não vale a pena irmos por aí... É assim, se querem insultar, vão ver onde anda o primeiro ministro hoje, está bem?... É assim, se eles queriam ir para a praia, seguiam até Paço de Arcos e a partir dali escolhiam um sítio qualquer. Se era para protestar, faziam uma manifestação, com cartazes e palavras de ordem. Agora, misturar prazer com negócios não... Além disso, este tipo de protesto pode desencadear uma série de outros protestos, nomeadamente, daquelas pessoas que fazem questão de não ver a Ana Avoila em biquini. O que é que se segue? A Heloísa Apolónia? Ou o Mário Nogueira de Sunga? Acho que quando é demais, é demais... Entretanto, e na sequência do que vem de trás - e pode ser muita coisa -o novo líder Norte Coreano desposou um salgadinho, a saber, uma jovem chamada Ri-Sol Ju. Eu acho bem, moderniza um regime de que se tem dúvidas que seja uma ditadura, até porque o salgadinho tem óptimo aspecto e apetece mesmo trincar... Promete ser uma espécie de Sarkozy-Bruni à coreana, porque é gente esquisita, tanto de um lado, como do outro. Entretanto, vou andar de olho no que de bom se vai fazendo em termos de humor, quer em Portugal, quer no estrangeiro. Neste sentido, hoje divulgo o nome de uma promissora humorista grega, Paraskevi Papahristou. Um nome a não esquecer ou, pelo menos, a decorar... Beijinhos a todos, sobretudo àqueles que mais precisarem...

Mote

Porque a estupidez não pode parar...

Colóquio

Subordinado ao tema "A Gronelândia é melhor do que a Bracalândia", vai decorrer na capital da Dinamarca, Copenhaga, ou, como diria Angela Merkel, Islamabad, um colóquio que pretende trazer ao de cima toda a verdade sobre a relação entre a existência de parques de diversão e o degelo polar, em particular, mas também sobre o degelo de uma forma genérica. Entretanto, vou ao continente fazer compras e se houver novidades, depois digo qualquer coisa.


Confirmação

Sim, alguns posts são escritos com lapinhos do Ikea. Nota-se muito, é?

Ofertas de emprego para a Gronelândia

Devido a uma deslocalização em massa de empresas de ar condicionado para a Gronelândia, tendência que se acentuou ao longo do dia de ontem por causa do degelo, durante a última noite por causa das fortes trovoadas e já durante a manhã de hoje, porque sim, há uma procura generalizada de técnicos de ar condicionado para a Gronelândia. Se as mudanças climáticas se mantiverem a este ritmo, prevê-se, igualmente, a necessidade de vitivinicultores para o maciço gelado, pois há várias quintas do Douro a planear uma deslocalização das vinhas para aquela região do globo, devido às condições únicas que o clima local oferece, como antes o Douro oferecia... Seguem-se as escolas de surf e as casas de "meninas", como se dizia no meu tempo.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

É meu...

- Sim, o lápis do Ikea que está no chão é meu, sim... Fui eu que o deixei cair ao postar os últimos textos. Obrigado.

Quebrar o gelo...

Querem uma notícia espectacular para os milhares de vendedores de ar condicionado na falência espalhados pelo país? Querem, não querem? Então aí vai: "A superfície da camada de gelo e neve que cobre a Gronelândia sofreu este mês derretimentos numa área particularmente grande da ilha, naquele que é um fenómeno já considerado pelos cientistas como “extraordinário”. A área onde se registaram derretimentos superficiais generalizados saltou de 40% para 97% em apenas quatro dias." (publico.pt) Os cientistas, apesar de colocarem a hipótese de se tratar de um fenómeno cíclico, apontam o "aquecimento global" como a causa provável para este fenómeno. Uma coisa para vender milhares de milhões de BTU's... É caso para dizer que é sempre o homem a quebrar o gelo...

Lugar para deficientes

Este é um blogue com problemas de mobilidade. É por isso que à frente - não sei se vê daí - tem aquele disticozinho da cadeira de rodas, o que permite, em contrapartida, aceder aos melhores lugares de estacionamento em Shoppings, supermercados, junto à praia e no Ikea. (Pausa muito prolongada) Ah, e ter acesso a casas de banho limpas porque não há pessoas a fazer chichi de pé... E chega que a minha mãe lê isto e há coisas com que não se brinca... muito!

O negociador

Se "os mercados não deixam Madrid respirar", propunha que se enviasse uma equipa de paramédicos. Agora se são os mercados que estão a asfixiar Madrid, era capaz de ser melhor também mandar a Interpol até à capital espanhola, ou o Medeiros Ferreira, ou a Fátima Campos Ferreira, ou então alguém que perceba de mercados e seja ao mesmo tempo um bom negociador, por exemplo, o Kevin Spacey, para tentar persuadir os mercados a não cometer mais este crime...

sábado, 21 de julho de 2012

Stand-up comedy: Até que enfim, um texto como deve ser sobre o Ikea

Como hoje tinha de vir para aqui, ontem fui ao Ikea, porque a minha mulher achava que conseguia meter a loja toda na mala de um skoda fábia... (Silêncio) Tá bem que é break mas mesmo assim... As mulheres são comó Júlio Isidro, chatas, e quando encasquetam que conseguem meter coisas grandes em espaços exíguos, então aí as semelhanças são mais que muitas... (Silêncio) É pá, parem lá com isso, que eu estou mesmo a falar de móveis, no sentido em que os suecos entendem a coisa... O que é certo é que ao fim de cinco ou seis horas ela conseguiu, a custo e toda encavalitada na traseira do carro, fechar a porta da mala e eu suspirei de alívio... Quando se vai ao Ikea, no final, não se sente que se põe as compras na mala... Sente-se que se fechou o monstro na bagageira e reza-se para que a chapeleira aguente... Desculpem lá o desabafo, mas quando vou ao Ikea a tendência é montar os pensamentos uns nos outros, e o que é certo é que eles encaixam todos direitinhos... Penso melhor no Ikea, penso por figuras 1, 2, 3, 4 e por aí fora... Enfim, uma das coisas que queria comprar era piaçás e, não me perguntem porquê, a minha mulher achou melhor comprá-los lá... Quando chegámos à secção onde os bichos repousavam, aparentemente inanimados, apercebi-me de que eram vendidos inteiros. Suspirei de alívio, pelo menos aquela m.... eu não tinha de montar... Não deve haver lugar mais baixo na condição humana do que um conjunto de legos para, no fim, conseguir um piaçá... Bom, aquilo já vinha, então, montado e era só chegar a casa, obrar e usar... A questão é que os piaçás eram feios e de fraca qualidade, pelo menos, aqueles que a gente podia comprar. Para mim a possibilidade de haver piaçás bonitos era uma coisa que eu desconhecia completamente e essa aprendizagem devo-a à minha mulher, que disse: - o que é que as pessoas que forem lá a casa vão dizer quando, ao usarem a nossa casa de banho de serviço, se depararem com um piaçá daqueles? E eu respondi: - As pessoas não sei, mas eu cá por mim cagava... (Silêncio) Há outra coisa que me deixa completamente boquiaberto quando vou ao Ikea: o estranho fenómeno dos ladrões de lápis... Há centenas de pontos espalhados pela loja com caixinhas repletas daquelas pequeninas máquinas a carvão, mas há pessoas que insistem em usurpá-los, como se eles não fossem dados, e encher as carteiras e os bolsos de lapinhos cor creme, do comprimento de um dedo indicador... Se há coisa que a mim me irrita são aqueles lapinhos, pois são tão pequeninos e metem-se em todo o lado, e um gajo está sempre a perdê-los no fundo dos bolsos e tem que pegar noutro... E noutro... E noutro.... De tal maneira que passado dois meses de ir ao Ikea ainda ando a semear lápis por tudo o que é sítio... E depois as pessoas são inconvenientes: - Olhe desculpe, este lápis do Ikea é seu? Fartinhas de saber que é... Na verdade, a pergunta que está a ser feita é: - Olhe desculpe, o senhor é aquele, de entre todos os presentes, que compra móveis de fraca qualidade e a baixo preço e de montar como se fossem legos? (Silêncio) Irrita-me que as pessoas pensem isso de mim... Por quem me tomam? (Pausa) Só há duas pessoas que eu admiro pela coragem extrema que têm demonstrado ao longo da vida: uma é o Nelson Mandela, que acaba de completar mais um aniversário, o nonagésimo quarto... (Silêncio) Uma salva de palmas, a sério, sentida, sem brincadeiras parvas... (Pausa, espera que aplauso termine) A outra é um senhor que foi fazer compras para o Ikea com três crianças à perna... E desarmado... (Silêncio, espera que a plateia acalme...) É de colhões... O desgraçado tinha que dominar os pirralhos, impedir que os bichinhos experimentassem todas as camas e beliches para crianças da secção de quartos e ainda orientar a sessão de almôndegas suecas, isto tudo SOZINHO, sem reforços, enquanto a mulher dele limpava o PISO dos complementos... Pessoalmente, não seria capaz... Sempre que vou ao Ikea de Matosinhos, no Mar Shopping, deixo os miúdos à entrada da loja, numa zona chamada "Mar Junior", que é onde os pais afogam os filhos durante duas horas para poderem comprar à vontade e sem remissão. No fim, se os papás estiverem em maré de azar, os putos sobreviveram... (Silêncio) Recolhem-nos e levam-nos a comer cachorros quentes à saída das caixas...

Texto escrito para stand-up comedy

Aleluias

Desejo um bom sábado à noite a todos, sobretudo àqueles que mais precisarem.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

"Era um jovem..."

O texto que se segue poderia ser para o "Portugalex" e é um exercício arriscado de escrita humorística:

Pivô - A morte de José Hermano Saraiva lançou uma onda de consternação em todo o país. Muitas foram as personalidades que reagiram de forma emocionada à partida de um comunicador fantástico. Uma das reacções mais revoltadas foi a de Manoel de Oliveira. O decano dos realizadores portugueses disse à saída do hospital onde esteve internado:
- É uma pena! Era um jovem ainda... Tinha 92 anos... Quando é assim, custa ainda mais aceitar... Nem deu para ler os miseráveis até ao fim, de certeza...

Fogos de verão...

Ou é de mim ou há restos de comida a sobrar da cozinha do Ronaldo que já nos ia servindo? Se ele vai deitar fora, nós aproveitávamos, ou não? Não há cá vergonhas, ou há? Eu, pelo menos por mim falo, já marchava uma Lampreia à Bordalesa ou umas Ovas de Peixe, e não tem nada de mal a gente admitir que já precisa de ajuda para comer... (Pausa) caviar, ou tem? Ah, estava a ver?! (Pausa) Desculpem o mau humor, é que não estava habituado a passar necessidades e isto de não poder ir ao Mónaco este ano está a dar-me a volta ao miolo. Pois é, o país já ardeu há muito, mas só agora é que chegam notícias de que está a arder em certos pontos... (Pausa para Carnegie Hall serenar) Em 60 pontos para ser mais preciso, segundo os últimos dados da Autoridade Nacional da Protecção Civil. Os casos mais graves parecem ser aqueles que lavram em Tavira, no Algarve, e na cidade do Funchal, na ilha da Madeira. Pessoalmente, acho muito estranho que um país que está queimado há tanto tempo só agora é que arda, mas nem nos processos auto-destrutivos Portugal parece ser um país organizado e com método. No caso da Madeira, estou sempre a ver se vejo o Alberto João em trajes menores (ou todo vestido, estou convencido, que vem dar ao mesmo) a sambar na primeira linha de fogo... Tenho a certeza que aquilo baixava logo as temperaturas e tinha um efeito inibidor das labaredas... Enfim, são coisas que me incomodam, e algumas até me chateiam, só espero que os bombeiros parem de gastar água em terra ardida, que só em tarifas de disponibilidade de água, drenagem de águas fluviais, resíduos, disponibilidade de águas residuais, taxa de recursos hídricos e mais 20 outros impostos associados à continha da água, a protecção civil vai receber uma factura enorme... E depois ainda falta pagar a água efectivamente consumida, mas isto é o menos!... Eu propunha, para não dizerem que isto é só criticar, mas soluções que é bom, nada!, que, para financiar a protecção civil, os direitos de transmissão televisiva dos incêndios fossem negociados com as operadoras de televisão... Era uma fonte de rendimento interessante e estou certo que muitas estações nacionais estariam interessadas, atendendo à cobertura que dão aos fogos estivais... Substitui bem, em termos de espectacularidade, o futebol, que no verão está parado e mantém as pessoas agarradas ao ecrã até à última casa ou arbusto ardido... Xii, de quem seria aquela carqueja que ardeu mesmo agora?... Aposto que é daquela senhora de óculos em leggings que acaba de desmaiar mesmo à frente daquela câmara de televisão... da TVI... Xii, olha a tangente daquele Cessna na frente sul do fogo, que só de frentes obriga a duas rodas dos ventos para ser devidamente descrito... Depois, quanto mais frentes um fogo tivesse, mais caros seriam os direitos de transmissão... Imagino já um agente incendiário - vestido de fato e gravata e cheio de gel no cabelo e que, apesar de homem, parece ser capaz de dar à luz, caso seja necessário para fechar o negócio - a comercializar fogos, com várias frentes:  "- Só de frentes, são dois hectares, com vista para o mar, ou então, se preferir, temos este com menos frentes e vistas de montanha para metade do preço..." Deus vos ajude, que eu não posso!

Crónica escrita para ser lida por um actor

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Crónica do dia

Então como é, estavam a pensar nos 14 milhões/Ano do Ibrahimovic ou nos 100 que saem amanhã à noite? Ou no Paco "ternura dos 40" Bandeira a confessar-se à tia Júlia? Ah, estavam a pensar em mim... Vocês são uns românticos! A sorte é que eu não sou, caso contrário, fazia-vos já um filho. Ahhh, mas há homens entre nós!, dizem vocês naquele ranger de porta que não vê óleo nas dobradiças desde o séc XV e que é a vossa voz... Pois... Nesse caso, fazia-vos um filho à mesma. Enfim, desculpem os meus atrasos, já habituais, eu sei, mas é que ando a fazer cobranças e não está fácil. Metade do país está insolvente, a outra metade está dormente, e assim é muito difícil cobrar, porque as pessoas que eu contacto ou estão em versão marinada de escalopes de peru antes de entrar na frigideira com azeite a 100º, ou em modo lexotan, o que ao fim e ao cabo dá na mesma. Ah, por que é que não usas violência física? 1.º, porque sou pequeno e magro; 2.º, porque sou contra qualquer tipo de violência; 3.º Porque bater em escalopes de peru vai contra os mais elementares princípios éticos, dos quais eu não prescindo, e é em alturas de crise que os verdadeiros valores vêm ao de cima. Pelo menos, aqueles que não arderem nos incêndios... Hoje vou escapulir-me mais cedo, que tenho de fazer o jantar e escolher a relva para a casa nova. Vou há Lusófona comprar, que no que toca a relvas, não gosto de brincar... Escolho sempre o melhor.

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Blog social

Este é um blog social.
Inscreva-se e mantenha-se em contacto.
Queremos fazer deste espaço de lazer a sua sala de estar web.
(gole)

Velinhas e quadros

Por cada processo em tribunal que seja levantado contra o João Quadros em Lisboa, eu proponho que os fiéis do melhor humorista português vivo, ou morto, ou assim-assim, acendam uma vela em Fátima. Vai embelezar o recinto e fazer sair os lencinhos brancos numa das maiores - prevejo - manifestações de fé dos últimos anos. E sem tiros...

CV

Estou a elaborar o meu cv em grego e já envio.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Centro de abate

Abriu um Centro de Abate para Professores em Fim de Vida na 5 de Outubro, em Lisboa. Se tem um professor em fim de vida, por favor, leve-o a este centro o mais tardar até 31 de Agosto, que ainda lhe valorizam a carcaça em 0,15€ o quilo. Peça para falar com o responsável, Senhor Crato, isso, cê, érre, ah, tê e oh que ele informa de todos os pormenores. Os contratados abatem-se na hora e não dói nada, os do quadro é capaz de demorar dois aninhos, mas é garantido. Só eu tenho dois lá em casa para levar. Como eu sou pesado, vai ser a reforma dos meus filhos.  

Esclarecimento

Escrevi na parte de trás deste blogue - Não sei se vê daí, vê? - a seguinte frase, que eu começo a ficar farto disto:
"Os professores são simpáticos".
Na parte da frente do blogue tem um poster da Pamela Anderson, mas isso dá para ver daí, não é?

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Ditado

Ou é de mim - e, atenção, pode ser! - ou a silly season chegou à força toda?, estendeu a toalha na zona de maior torreira e está lá sem beber água há 15 dias?, a delirar coisas imperceptíveis como... "sempre pautei a minha vida pela busca do conhecimento permanente..." e a tostar ao sol as crostas de que nove séculos de enchidos dotaram os nossos intestinos? (Pausa) Revejam lá o português deste primeiro período do texto, que pelas vossas carinhas há dúvidas, que eu espero... (Pausa) Está certo? É o que dá ser professor de português no desemprego, vê-se logo que estais a ressacar de não corrigir. Vá, corrijam lá este até ao fim, que eu não me importo. Vá, este é para vocês, até lhe vou chamar "ditado", assim, vocês podem recordar como era quando tinham trabalho... Continuando: não há silly season sem Alberto João Jardim, aliás, foi ele que a inventou e mandou de barco para os Estados Unidos, para eles a baptizarem e exportarem para cá... Ontem, o presidente do governo regional da Madeira engasgou-se ao meio dia com uma garfada de comida e resolveu desentupir o estreito à noite: quer que lhe sejam conferidos, por equivalência, divina ou lusófona, tanto dá, os graus de "veterinário, biólogo, informático e astrónomo". Eu acho bem, sobretudo, o de biólogo, porque a Madeira é um jardim, e isso é público e há provas, e também o de veterinário, porque... Bom, deixem lá isso. Ou é de mim - e, atenção, pode ser - ou o passo seguinte da silly season é Portugal pedir a equivalência a Grego I, II e III (Língua e Cultura), Cultura Clássica I - Grécia e Mitologia Greco-Romana? Eu até ouvi com os pés que o Pedro Passos Coelho achou o máximo esta história da "licenciatura à Relvas e molho de Lusófona" e vai pedir equivalência, com base no currículo, a chanceler alemão. Seguir-se-á Vítor Gaspar, que quer pedir equivalência a Schäuble, Paulo Portas vai pedir equivalência a todas as cadeiras do curso de engenharia naval e Marcelo Rebelo de Sousa, que está farto de demorar anos a tirar licenciaturas e doutoramentos, vai pedir equivalência a Rafael Nadal, de tantos Estoris opens que já tem no currículo... Hum? Estoril não tem plural? Desculpe stôr... 20 vezes? Ok: 
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile
Estorile... Já está! Hum? Falta uma? E tem erro? Mais 20 de castigo?
Istorile
Istorile
istorile
Istorile
Istorile
Istorile
istorile
Istorile
Istorile
Istorile
istorile
Istorile
Istorile
istorile
Istorile
Istorile
Istorile
istorile
Istorile

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Relvado da Lusófona 2 (continuação)

Pois é, já fui ao hospital tratar os meus problemas, porque eu sou uma pessoa doente, e apesar de já haver médicos, alguns dos clínicos ainda se apresentaram ao serviço com professores às costas. Ou seja, não estavam em condições para tratar ninguém e foi um ver se se te avias para um anestesista conseguir dar-me uma injecção com um docente de físico-química, com peso a mais e revoltado, às cavalitas. É por isso que eu físico-química não jogamos... (junta os dedos indicadores e esfrega-os um no outro) Estávamos então lá todos no hospital, uns a reconhecerem que precisam de ser tratados, outros nem por isso, e um dos "nem por isso" virou-se para mim e disse: ah, acha bem que eu com esta idade, ainda esteja numa situação precária? E eu respondi o melhor que sabia, naquela de ajudar a pessoa: então, basta eliminar as bordas de pele que lhe caem dos maxilares, descobrir onde caíram as maminhas e trazê-las cá para cima outra vez e raspar à volta dos olhos, passar um decapante e dar um banho de verniz para disfarçar as concavidades e fica logo melhor. Assim como está, realmente, é muito precário... O senhor respeite-me que eu tenho filhos da sua idade lá em casa... E eu peguei numa turquês e retorqui: então os seus filhos estão quase criados, quando chegarem aos 40 já nunca mais os agarra... Eles com essa idade, acabam o terceiro curso, ganham asas e voam por eles... É a lei da vida..

Esta crónica foi escrita para ser lida por um actor

Relvado da Lusófona 2

Então como é, estendidinhos no "relvado" da Lusófona ("relvado da Lusófona", perceberam?!) à espera que as habilitações cheguem, é? Quem vos ensinou a "nortear a vossa vida pela procura do conhecimento permanente" que vos ature... Ou então que vos ensine a "nortear a vida pela procura permanente do conhecimento", que parecendo a mesma coisa, não é... É o que dá tirar cursos à Lusófona dará... "À Lusófona dará", perceberam?! Acho que não, esta só apanha quem tirou o curso na Católica... Xiii, o ecrã do vosso computador está ao contrário... Bom, ponham lá isso direitinho, enquanto eu fico aqui a ver-me ao espelho e a escolher lados melhores. Eh pá, assim não, que ele não se equilibra... A base é para baixo... Eu é que disse que era para pôr ao contrário? Eh lá, olha as estrelas do mar com dificuldades de aprendizagem... A imagem acerta-se nas propriedades gráficas... Isso, clicar no lado direito do rato... Eh pá, ponham lá as cabecinhas direitas, que ainda torcem o pescoço. Ver-vos de lado a ver se apanham a imagem é como comer esparguete de cabeça para baixo, acaba sempre mal... Não é nas opções gráficas? Eh pá, se não for aí então é porque o bicho tem lepra, mais vale mandá-lo abater... Não há mal, há mais na fnac, estrelinhas. Agora, um conselho de amigo: não mandem rebocar o bichinho... Se forem vocês a levar o bicho ao centro de abate, eles valorizam a carcaça a 0,15€ o quilo... Estou a misturar as coisas? Então não façam isso e depois vão ver, ainda têm de pagar o reboque e se não se desviarem abatem-vos também. Isso é na Síria? Continuo a misturar? Ok não digo mais nada sobre isto que ainda me enervo... Mudemos de assunto. Então, o que é que vão fazer nas férias? Ah, boa, quem me dera... Eu?... Bem, já que perguntam, eu vou tirar um doutoramento que pretende ser uma teoria filosófica sobre o papel do humor e da ironia na literatura e na história do pensamento, à luz da obra de Kundera. Hum? Não será pouco tempo para tanto? Isso é para vocês, que não têm currículo nenhum! Para mim, dá perfeitamente. Aliás, isto é na segunda quinzena de Julho, que em Agosto vou para a Apúlia três semanas, que é uma praia muito rica em iodo, e eu tenho herpes. Agora tenho de ir ao hospital, que aquilo hoje já está tudo pintadinho de branco outra vez e eu sou uma pessoa com muitos problemas.

Esta crónica foi escrita para ser lida por um actor.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Relvado da Lusófona

Afinal o Conselho Científico da Lusófana, ai, Lusófona, fogo, nem por ter tirado lá o curso, que conferiu as equivalências a Miguel Relvas é falso, segundo uma notícia avançada hoje pelo "i", o que significa duas coisas: 1 - este caso parte de um pressuposto falso; 2 - Este caso é de fazer ressuscitar um morto, mesmo que o morto seja um jornal... Como? Lá estão vocês com preciosismos, mas sim, confirmo, é necessário estar morto para se ressuscitar. "i" nada!

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Crónica em manutenção

Por favor, use as escadas.

Crónica em construção

Ou é de mim ou sempre que se discute o estado da nação, como hoje se fez no parlamento, o país fica com urticária no pilau?, pelo menos, na zona da Estremadura?... Eu digo isto com o espírito construtivo que me caracteriza, sobretudo, a dormir de barriga para cima e sem roupa interior... Bom, desculpem a alarvidade, mas eu e o parlamento chocamos um pouco. Palavra que até tenho tentado levar a coisa a bem, mas sempre que vejo a Assunção Esteves a dirigir os trabalhos com aquela bonomia toda lembro-me quanto é que ela ganha por mês para mandar calar deputados e fico cheio de peçonha, ou como ela dirá, inveja! Eu conheço pelo menos 10 milhões de pessoas que pagariam para poder mandar calar os deputados, mas ela consegue fazer-se pagar por aquilo e isso até seria notável senão fosse deprimente. Ou me sai o euromilhões ou um destes sábados acordo mortinho da silva e depois quero ver quem paga as exéquias... Viram o nível da piada que retirei nas ranhuras do meu anedotário infantil, que é o que melhor caracteriza o humor por mim praticado?

(Acabo mais logo, que agora tenho de fazer o jantar e lavar a loiça e assim, que o Jarbas meteu folga e a Deolinda, que é o conjunto musical que faz a limpeza cá em casa, está a dar um concerto enfadonho em Algodres e depois sobra para mim)

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Greve dos médicos

Os senhores doutores convocaram uma greve de dois dias e já pediram às pessoas para não se deslocarem aos serviços de saúde durante essas 48 horas para evitar confusões desnecessárias. Os médicos já pediram às pessoas para não ficarem doentes durante os dois dias de protesto que é para ninguém se aleijar.

domingo, 8 de julho de 2012

E agora, optimus?

Ao ver a nova publicidade da optimus (all together now, isso), há duas questões que qualquer pessoa normal, ou então como eu, coloca: a primeira, e a mais inquietante, é saber se o maestro António Vitorino d'Almeida já dá uso à bengala?, e se der, aí não há nada a dizer que com a velhice e as debilidades físicas não se brinca... (Pausa) muito! Caso contrário, dizer apenas, sobre esta matéria, que se o maestro pretender continuar pela vida em majorette não conte mais com o meu silêncio cúmplice, porque há pessoas que eu conheço que até têm pesadelos com o pai das manas Medeiros, à conta desta história. A segunda questão é directamente para a operadora e não!, não tem nada a ver com tarifários: quando é que a optimus começa a respeitar o novo acordo ortográfico?

The famous grouse ou já chega de piadas que metam Palma e Whisky

Médico - Então o que é que aconteceu?
Paciente - (Roupa rasgada e com um braço ao ombro) Bem, eu estava a ver um concerto do Palma...
(Entra de rompante um tipo qualquer, fã do cantor)
Fã do Palma - Éh pá, já chega com esta m....! (Vira-se ao realizador! É impedido por assistentes de produção e realização brasileiros que não param de dizer: "Pôrrá! Pôrrá!" e o retiram do set.)
Assistente de realização - Bem malta, vamos continuar... ACÇÃO!
Paciente - Bem, eu estava a ver um concerto do Palma na primeira fila e comecei a ficar tonto... Acabei por desmaiar, cair e partir um braço...
Médico - Ao ar livre?
Paciente - (Faz um ar resignado) Não, num cine teatro...
Médico - Estou a ver... E sem EPI?
Paciente -EPI?
Médico - Peço desculpa... Sem qualquer tipo de equipamento de protecção individual?
Paciente - Nada...
Médico - Para a próxima use uma máscara, sobretudo, se ficar nas primeiras filas...
Paciente - Pois... Arrisquei um pouco, é certo! Foi contraproducente da minha parte!
Médico - Pois foi, pois foi! É por isso que a prevenção é a melhor das terapias...
Paciente - Então e agora o que é que me aconselha?
Médico - Bem, agora vai fazer termas, comer muita fruta e repousar bastante... Ah, e durante algum tempo, aí durante seis meses, só vai a concertos do André Sardet...
Paciente - Mas o que é que eu tenho doutor?...É grave?
Médico - Bem, você tem uma inflamação aguda do pâncreas provocada pela exposição ao hálito...
Fã do Palma - (Conseguindo furar o bloqueio) Já chega desta m...., chega destas piadolas! Porque é que não brincam com o Zeca Pereira ou com o Madail? Ou com a filha do Eusébio?! Hum? (Vira-se aos actores. É impedido por assistentes de produção e realização brasileiros que não param de dizer: "Pôrrá! Pôrrá!" e o retiram do set.)
Médico -(Servindo-se de um whisky) Também não é caso para tanto! É a brincar... O máximo que se pode apanhar num concerto do Palma é 1,2g/l.
Paciente - Uma contra-ordenação grave, mais nada... (Encolhe os ombros. Bebe um gole... A câmara afasta-se e o espectador apercebe-se que todos os presentes no set bebem Whisky).

sábado, 7 de julho de 2012

Crónica humorada para ser lida no Famous Humor Fest

Olá, bom dia uma vez mais! Venho às mijinhas, hoje! Está a dar-me para isso! Olha se estivesse a dar-me para aquilo?! Aí é que iam ser elas. Assim é mais calmo e não agarra no fundo do tacho. Por falar nisso, se vocês são daquelas pessoas que usam qualquer panela numa placa de indução, então, estão no sítio certo. Nós cá em casa também e isso significa que já temos mais uma coisa em comum para além da parvoíce. (Pausa) Desculpem o pequeno interregno, estava só a ver se parvoíce levava mesmo assento... Ui, desculpem! Acento, queria eu dizer... É que na oralidade faz cá uma diferença!, mas pronto... Vai que alguém lê?! Por falar em placas de indução, cá em casa já somos seis casais mas ainda cabem mais seis, porque vivemos em legos para ocupar menos espaço e facilitar a convivência, e o prazer também. Ok, agora que acabei de expulsar as últimas duas pessoas que ainda tinham pachorra para isto, vamos continuar rumo ao infinito. Enfim, aqui no sítio onde eu moro já cheira a estrugido. Não, não é um estabelecimento prisional, não, não é no Bairro Alto... Bom, não interessa onde é, o que interessa é que é sábado e tenho móveis para desmontar e não me apetecia fazê-lo sozinho. Ainda bem que estão desse lado. Tu aí com herpes e um ar de menina levada passa-me uma chave de 10, se faz favor. Obrigadíssimo, Samantha, mas não era contigo que estava a falar, era com o Castelo Branco. Esta moça sempre a antecipar-se, é uma fofinha com uma prateleira muito bonita. Não, Sam, a tua prateleira não é para desmontar, isso, é para, isso, mon..., isso. Perfeito, chegaste lá. Agora desencaixa, isso of. (Pausa) Desculpem uma vez mais esta pausa, fui ao Continente buscar víveres e ler revistas de graça na caixa. Nada como começar uma manhã de sábado a ver bacalhaus secos famosos a gratinar ao sol, e ficar com inveja deles, para que o fim-de-semana comece de uma forma plena e prometa um crescendo de sentimentos nobres. A Luciana Abreu anda no psiquiatra, apesar de estar rica e ter duas fyyiillhhhhas lindas, o Carlos Areias, que gostava de ter um filho da sua nova relação, está na miséria, mas feliz, ao lado da sua cara-metade, pelo menos em idade. O Ronaldo comprou o mediterrâneo na zona de Saint Tropez e anda de iate a afundar marcos em pedra que a mãe trouxe de uns pinhais que têm na Madeira e a espetá-los no fundo do mar, para separar o que é dele do Messi. Enfim, anda tudo animado, para mais que o Famous Humor Fest continua. Ao que parece, ainda ninguém se aleijou ou riu, mas isso é o menos e, além disso, o Relv,as, ainda, n,ão actuou hoje..' Termino com um apóstrofe, que é uma vírgula bem sucedida na vida'. Xau, beijinhos na Luciana Abreu que há em cada um de vós.

Emigração

Ora muito bom dia, agora que já perceberam que o euromilhões saiu a outra pessoa e que chegou o outono, e se puséssemos as coisinhas no carro e fôssemos andando?

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Stand-up para o famous humor fest

Hoje acaba uma semana que teve o seu quê de especial... Para quando uma semana com o seu quê de quá quá de especial?, perguntam você sempre em cima do acontecimento, que até parece que estão a fazer amor com ele?... Nas dunas... Ao pôr-do-sol... (Pausa, olha vagamente para a plateia como se contemplasse o sol a pôr-se na linha do horizonte, atrás do mar) Bom, adiante, não faço a mínima ideia, só sei que, se juntarmos as dificuldades de interpretação do texto em língua portuguesa que o governo revela com o facto de vocês trabalharem no privado, estais quilhados com quê de quá quá, e assim já não se pensa mais nisso e a vossa questão fica respondida. Em que mais posso ser útil?... (Pausa) Ah, ok, já estou a ver... Indo ao que aqui me trouxe: A semana acaba mas o festival humorístico dos últimos dias continua... É que hoje começa o Famous Humor Fest, em Lisboa. Tenho lido muito sobre o festival, tenho gostado bastante das promos: o da  inconstitucionalidade no corte dos subsídios de férias e de natal está muito bom, mas a promo do Relvas é do melhor... O salto no tempo da licenciatura de Relvas é uma coisa assombrosa... A maneira como ele espera anos a fio pelo processo de Bologna, que já de si encurta a duração dos cursos, e consegue, ainda assim, encurtá-lo mais e, já completamente em esforço, acabar o curso todo no ar (o actor estica os braços para cima como se fosse a saltar), ainda antes de cair por terra após o esforço que o salto de vários anos implicou, é brutal! Awesome!, ou como eu escrevia antes de ir confirmar à net, Aussome! Incrível! Isto relatado pelo saudoso Perestrelo (o actor olha para o céu, diz: "ripa na rapaqueca") dava uma final dos campeonatos do mundo em pista coberta! Foi uma semana hilariante, essa é que é essa, tem sido rir a bom rir e uma excelente rampa de lançamento para FHF, que só tem a ganhar com a concorrência, sobretudo, quando é promocional! Pessoalmente, que não percebo nada disto, o que até é normal, diga-se em abono dos miúdos da verdade. É que, por um lado, temos o ministro da educação a aumentar o nível de exigência na disciplina de Matemática, no ensino básico; por outro, o ministro dos assuntos parlamentares a pugnar pela diminuição da exigência no ensino superior. É de uma esquizofrenia de deixar qualquer um, mesmo um esquizofrénico, com o cérebro dividido em dois. Ouçam o que eu vos digo, mesmo de um esquizofrénico! E não digo mais nada, a não ser deixar esta pergunta no ar para terminar esta estupidez toda em beleza: (Pausa) para quando um episódio acerca da licenciatura de... (Pausa) Pacheco Pereira? É que eu ando desconfiado... O nível é... Enfim, deixo ao vosso critério ou de quem mande alguma coisa neste país... Ou então deixo à consideração dos responsáveis pela organização de ambos os festivais! Por falar nisso, dizem vocês, por que razão não estás no FHF? Não digas que não foste convidado? Em primeiro lugar, vamos a mudar o tom, senão levam com duas arrochadas que até ficam a parecer um foguetão a largar-se todo no momento exacto antes de ser lançado para o espaço... Não sei se já viram? Que até parece fogo, mas não é?... Bom... Em segundo lugar e quanto à vossa pergunta, trata-se de uma questão, tal como vocês, bastante sui generis - eu sou daquelas pessoas que não sabe o que significa sui generis mas utiliza a expressão mesmo assim -, e a verdade é que a organização convidou-me... Fiquei contente, claro... Não foi para actuar, mas não faz mal... Foi para beber whisky, mas como eu ando a beber muito, ultimamente, por causa do iva e dessas coisas que vocês sabem, o meu médico achou melhor não ir, que ainda arranjava uma pancreatite e depois era uma questão de Deus estar bem ou mal disposto... Tira a mão do queixo e não penses mais nisso... Obrigado pelo vosso apoio, apesar de tudo, mas piadas com o Palma e Whisky, mais?, não!, por favor!... Ok, deixa lá isso, dizem vocês não sei se a sério, se a gozar! Então e o que é que vais fazer este fim-de-semana? Então, este fim-de-semana vou fazer uns espectáculos ao vivo com o Ricardo. Ah, o Ricardo Araújo Pereira? Não... Quase que acertavam!... É o Ricardo que trabalho na contabilidade cá da empresa! Ah, esse!..., dizem vocês sem o conhecer de parte nenhuma! Por acaso o RAP convidou-me para fazer umas rúbricas humorísticas no aniversário das filhas, mas eu não podia. Tinha estas cenas com o Ricardo já marcadas... Mas foi pena, porque eu ia todo de palhaço e levava balões e ia fazer bué de caretas giras... Xau! Foi um prazer estar convosco esta noite! Vir ao Royal Albert Hall sempre foi um sonho de menino! Da próxima vez, venho em Mariza! Honest... (Faz aquele ar agradecido e maravilhado da fadista, sempre emocionada pelo carinho do público, que os mais distraídos poderão confundir com uma cena do filme ET entre a Drew Barrymore e o alien. A fadista é a primeira, quando fala, o segundo, quando arregala os olhos...)

terça-feira, 3 de julho de 2012

Ediresistência: contra os canhões, marchar, marchar...

Acordo, levanto-me, lavo-me (facultativo), como, obro (às vezes, obro a seguir ao "acordo"), viajo para o trabalho (trabalho longe de casa, por isso, aplica-se "viajo"). Nem preciso de cábula para isto, já faço tudo de cor! Na viagem, ouço rádio. Sempre que me acontece ter os impostos em dia, ouço a rádio pública. Hoje aconteceu-me ter tudo em dia e, por isso, ouvi as notícias na antena 1. A notícia do dia, na cultura, é que há uma nova editora de livros no mercado. Até aqui não dá comichão na "pitoquinhas", pois não? Mas ouçam até ao fim que vão ver que não vão conseguir parar de se coçar, sobretudo, se tiverem "pitoquinhas"... Ao que parece, as trezentas e cinquenta editoras que fazem parte da Leya não chegam. É preciso uma para combater estas todas, pelo menos é esse o espírito dos promotores. Na verdade, pareceu-me que as pessoas visionárias que descobriram que o estava a fazer falta, na actual conjuntura económica, é uma editora de livros, não tinham mais nada para fazer... Com tanta acção de cariz social para dar vazão e a precisar de pilim, e eles foram logo pensar em... abrir uma editora... Pela minha parte, parece-me bem, até porque um dos objectivos dos promotores deste novo projecto editorial é acabar com o monopólio dos grandes grupos editoriais. O outro objectivo principal é dar espaço aos novos autores, cujo surgimento está tapado pelos tais grupos... É por isso que a Ediresistência (palavra de honra que este é o nome, e que serve, ao mesmo tempo, para editora e braço armado... Portanto, se alguém não tiver um braço e precisar de um armado, já sabe onde encontrar) vai dar a conhecer ao mundo um novo autor... (Pausa) Urbano Tavares Rodrigues! Conhecem? É natural que não conheçam, trata-se de um autor ainda jovem (nasceu em 1923) e ainda desconhecido do grande público (o público com mais de 2,20m e que não lê por causa das vertigens)... Com a divulgação que está a receber por causa da Ediresistência, Urbano está na berra e só pode ter um futuro brilhante à sua frente, até porque a esperança média de vida tem vindo a aumentar, sobretudo, nos homens. Aliás, já ninguém pára a Ediresistência na sua senda de divulgar a nova literatura portuguesa, mormente, através da publicação de novos valores... Já há novos autores no prelo, e é bom que as pessoas se vão habituando a nomes como Saramago, Pessoa e um puto ainda mais novo que o Urbano e que está agora a começar, um tal de Luís, Luíz quê, ai, Luís, ai, Luís Vaz de Camões, é isso, já me lembrei. É natural que ainda sejam nomes desconhecidos do público em geral, mas é bom que se vão habituando porque esta gente vai dar cartas... Olhem o que eu vos digo, que sou uma pessoa atenta. Agora vou ali foxar na Samantha e depois vou acabar de ler um gajo novo estrangeiro, que está agora a começar, o Pirandello e vai dar cartas. Aliás, deixo já aqui a sugestão para a Ediresistência, no caso de se querer lançar nas traduções de jovens promessas... 

segunda-feira, 2 de julho de 2012