terça-feira, 24 de abril de 2012

Gente coisa - Parte 2

Eu sei que a segunda parte deste texto parece o nome de um vídeo do youtube, mas já não há nada a fazer. Agora é levantar a cabeça e olhar para a frente, que tristezas não pagam dívidas. Pois é, o dia está cheio de corrente de ar com aquela história do hospital de Braga querer purificar o ambiente que se vive no... hospital. É verdade que o ambiente nos hospitais deve ser asséptico, mas nao valia a pena exagerar... Os homens devem usar, segundo o novo regulamento daquela unidade hospitalar, "sapatos clássicos pretos ou azuis-escuros, cinto azul-escuro ou preto (a condizer com os sapatos) e meias azuis-escuras lisas ou pretas lisas". Só falta dizer que têm de ser vestidos pela Throttleman e penteados na barbearia central. "A condizer com os sapatos"?, está tudo doido ou o legislador disto tem um par de costelas norte-coreanas?  Ou é de mim ou quem determina que os trabalhadores do sexo feminino só podem "usar salto até quatro centímetros" tem como sonho criar as coreografias para paradas oficiais na China? Então e se um trabalhador do sexo masculino quiser usar salto até quatro centímetros, como é que é? (Pausa) O que se segue? Carmelitas dos pés descalços na unidade de cuidados intensivos e padres franciscanos com tigelinhas na cabeça em cirurgia? Para onde é que isto caminha? Para um hospital cujo lema seja: "um hospital, uma só orientação sexual!" Daqui a nada proibem séries como a "Grey's anatomy" ou "ER" porque podem dar ideias aos profissionais de saúde... (Pausa) Ideias más... Uuuu! (Pausa) Mas há mais: as meias de vidro das senhoras "devem ser da cor da pele (nem muito claras, nem muito escuras), lisas, sem redes ou fantasias". Foda-se! (Desculpem lá, mas este palavrão era suposto vir com estigmónimos. Onde é que se meteram os sacaninhas?! Está-lhes a dar forte como às vírgulas.) A minha vida! "Sem fantasias"?! Umas meias sem fantasias não são meias... Uma enfermeira sem fantasias não é enfermeira... Doentes sem fantasias com enfermeiras ou sem enfermeiras nas fantasias não merecem o nome de doentes! Eu fico doente só para estar à beira de uma enfermeira com meias de vidro de cor berrante e fantasias! Párem de acabar com tudo aquilo que nos faz levantar de manhã e parar na urgência hospitalar mais próxima para mudar a penso ou dar um jeito na algália! Eu faço isso todos os dias antes de ir para o trabalho, senão o dia parece que não me corre! (Pausa) Daqui a pouco, quem trabalhar na secção de Raio X não pode ter pensamentos impuros... que nada escapa à imagiologia. Agora eu vou andando, que estou de plantão esta noite (mete o estetoscópio no pescoço). Até à próxima. (Volta-se para trás) Ah, é verdade, se isto fosse o hospital de Braga, vocês tinham ficado à porta. Seus taradões... Vão-se mas é pentear! É só foguetes nas meias, suas desleixadas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário