terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Gente magra!

Actor - Sequência do texto anterior (Gente gorda). Deverá funcionar como segundo momento do espectáculo. O comediante deverá pegar no texto e fazer uma abordagem pessoal. Poderá usar as suas próprias características físicas para aprofundar o sketch.

Os magros. Quem nunca se cruzou com um magro e não deu por nada que atire a primeira pedra. As pessoas magras quase não existem, têm a petulância das folhas caducas a esvoaçar num dia de vento. Experimentem tentar apanhar uma desssas folhas que caem no outono antes de tocar o solo. Não conseguem. (Pausa) Deus não deixa. (Pausa) É um jogo com Deus e com a Natureza. (Pausa) Não terão hipóteses. (Pausa) Agora tentem apanhar um magro! Não dá! Deus não deixa! Deus é magro! Deus prefere os magros. (Pausa mais prolongada) Aos gordos qualquer um os apanha! (Pausa) E Deus não faz nada! Deus come iogurtes magros e não se nota porque as barbas de Deus são brancas. Se uma mulher esguia, em lingerie, estiver a comer um iogurte e, acidentalmente, uma lava de produto lácteo lhe começar a escorrer pelo queixo abaixo, isso é um festival erótico. Se acontecer o mesmo com uma mulher gorda, é o resumo da semana da Susana do "Peso Pesado". E é asqueroso. E toda a gente se ri. É injusto, pois os magros têm um QI magro, na maior parte dos casos, do tamanho do estômago. As pessoas magras vivem nos limites da espessura de uma folha de papel, as questões existenciais dos magros chamam-se yoplait e danone... Deus?, A imortalidade da alma?, Donde vimos?, O sentido da vida? são questões que engordam! Os filósofos são gordos e têm problemas de pele. Não são ícones de beleza, apesar de terem vertido muito sobre ela. Ninguém imagina Séneca a fazer publicidade. Imagine-se, por exemplo, o Séneca a fazer a publicidade do modelo, aquela do jovem que quando se ri aumenta a produção de energia eléctrica em Portugal em duzentos porcento. Este jovem, magro e que tem um sorriso lindo, tem um QI muito baixo. Ninguém com noção da realidade, consciente da crise que para aí anda, pode sorrir daquela maneira! Se lhe passarem um teste de inteligência perceberão isso mesmo. Ou então é mal-intencionado, e quer levar as pessoas a comprar coisas que não podem pagar! Mas eu acredito mais na primeira possibilidade. E também acredito na espécie humana, à excepção dos magros e dos gordos. Ah, e também não acredito nos que são assim-assim, aqueles que chegam à nossa beira e dizem: ah, não achas que engordei? Quero lá saber, desde que possa continuar a comer sopa de peixe com coentros e vomitar as ovas a seguir está tudo bem. Os coentros não, que ficam a fazer de nenúfares na bexiga. As lombrigas fazem de rãs e o Paul Mcartney toca a música. Aquela sinfonia dos animaizinhos que ele tem e que é de arrepiar os genitais de um molusco sexualmente activo. Vai ser um festival ali à entrada dos intestinos, de deixar Vilar de Mouros a ver navios. O desporto favorito dos magros é "avistamento de gordos". Começa-se por treinar com baleias de fingir, por exemplo, restaurantes de fast food, ginásios - estão cheios de gordos com problemas de olhos - e combates de sumo. Depois-se passa-se para a competição a sério ao largo dos Açores. Os magros têm a mania que são magros e alguns adoram comer coisas que engordam em público, só para mostrarem que não fazem regime. (Pausa) E vomitá-las em privado. A Endemol não é a criadora do Biggest loser, mas bem que podia pegar em magros mórbidos, tal como se fez com obesos americanos, e trancá-los em algum sítio para engordar. Quem conseguisse engordar mais vencia o concurso e ficava feliz. É isso de que se trata, não é, ser feliz? Para terminar, e porque não há pachorra para gente magra, proponho um novo desporto para gordos, que dá também um excelente jogo para consola: enfiar dez mil magros mórbidos num campo de futebol, vedar tudo pelas quatro linhas e no meio do curral, no centro do grande círculo, colocar uma grua que iça e deixa cair gordos sobre o relvado. Quem sobreviver, participará num novo reality show para gordos e magros estropiados. Parece que já ouço a Júlia Pinheiro a dizer: " - Apesar de não ter o braço esquerdo e a perna direita, que perdeu tragicamente na queda de cima de uma grua, conseguiu manter o equilíbrio e emagrecer vinte quilos, já descontando o braço e a perna amputados". Está tudo doido!

2 comentários:

  1. Caro amigo, acredito não ter nada a ver com a minha e a sua fisionomia, mas acredite que depois de ler o texto dos gordos, me parece este, o dos magros demasiado light, espero conseguir reunir um conjunto de gordos numa reunião, claro que numa grande sala, pois conseguimos fazer melhor que isto.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou daqueles que pergunta insistentemente à mulher: " - Não achas que engordei aqui?", segurando a prega de gordura. Entretanto, proponho que se reúnam no pavilhão atlântico. Se for um encontro nacional.

    ResponderExcluir